São declarações que vão dar muito que falar entre os fãs do Android e do iOS da Apple. Chris DeSalvo, um dos membros da empresa que desenvolvia o Android ainda antes de este pertencer à Google, confessou que o lançamento do iPhone teve um impacto positivo e negativo no trabalho que tinha vindo a desenvolver. Por um lado reconheceu a vitória tecnológica da Apple e as vantagens que traria para o mundo. Por outro reparou que o sistema operativo Android ia ser obrigado a começar do zero.

"Como consumidor eu fiquei encantado. Eu queria um [iPhone] de imediato. Mas como engenheiro da Google eu pensei 'Vamos ter que começar do zero'", revelou Chris DeSalvo ao The Atlantic, a propósito da apresentação do smartphone da Apple.

Como relembra o The Verge, as primeiras versões do Android e dos seus telemóveis eram mais próximas aos BlackBerry. "O que nós tínhamos de repente pareceu tão.. anos 90. É daquelas coisas que são óbvias quando as vês".

O responsável principal pelo Android em 2007, Andy Rubin, também teve uma reação de assombro e arrepio com a apresentação do iPhone: "Caramba [Holy Crap]. Parece que já não vamos lançar aquele telefone". Rubin terá mesmo pedido ao motorista do seu carro para encostar para que pudesse ver o resto da apresentação do smartphone da Apple.

Mas quando o Android estava na sua fase inicial de desenvolvimento nem era a Apple a maior preocupação da Google. A Microsoft era vista como a rival número um na área móvel pois a plataforma Windows CE para telemóveis estava a ganhar utilizadores.

Os trunfos do Android e foco de desenvolvimento, escreve o The Atlantic, acabaram por ser o ecossistema de serviços Google - como o Maps, Gmail e YouTube -, a ferramenta de pesquisa da empresa e o facto de terem criado uma versão do sistema operativo para todos os telemóveis.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.