Ainda a história dos 930 milhões de dispositivos móveis que a Google não vai "salvar" de uma falha de segurança existente. Um executivo da tecnológica norte-americana fez uma publicação onde explica, novamente, o porquê de a empresa não disponibilizar a correção, mas tenta minimizar os efeitos aconselhando até a utilização do Firefox como navegador móvel.

Mas primeiro a "história". Todas as versões do Android abaixo do KitKat 4.4 estão vulneráveis a uma exploração maliciosa através de um problema que existe no Webkit, a ferramenta que permite visualizar páginas de Internet nas apps sem ser necessário abrir um browser em separado.

São portanto afetados vários milhões de equipamentos - estima-se que 930 milhões - e a Google já tinha dito que nada podia fazer sobre a situação. As explicações mais detalhadas sobre o caso podem ser encontradas aqui.

Agora um executivo da empresa, Adrian Ludwig, usou o seu perfil no Google+ para explicar o porquê de a empresa não ajudar na correção. Numa primeira fase disse indiretamente que a responsabilidade está do lado dos fabricantes parceiros e que a Google tenta manter tudo o mais atualizado possível na versão AOSP do Android - mas que é acima de tudo usada por utilizadores avançados do sistema operativo.

"Mas o WebKit sozinho tem mais de cinco milhões de linhas de código e centenas de programadores a adicionarem milhares de melhorias todos os meses, por isso em alguns casos corrigir vulnerabilidades de versões do WebKit com mais de dois anos requer mudanças em grandes partes do código e já não é prático fazê-lo", esclarece o elemento da equipa de segurança do Android.

Esta política é semelhante à que acontece com outros software - ao fim de algum tempo são descontinuados e deixam de receber atualizações de segurança. Mas neste caso em particular, está em causa o grande número de utilizadores afetados e o facto de o Android não ter detalhado em nenhuma página os períodos de suporte oficial.

A Google tem sido fortemente criticada nas últimas semanas devido à postura que tem tomado relativamente a algumas falhas de segurança. Além desta questão do Android, a tecnológica revelou ainda falhas de segurança do Windows e do Mac OS antes que a Microsoft e a Apple disponibilizassem as respetivas correções.

Se tem um Android entre as versões 2.3 e 4.3, isto é para si

Se o seu Android está entre a versão Gingerbread e a última do JellyBean, fique sabendo que está exposto à dita falha de segurança. E de acordo com Adrian Ludwig, isto é o que deve fazer para minimizar o problema.

Manter todas as aplicações atualizadas é um dos passos, assim como usar um browser que seja constantemente renovado. O Chrome e o Firefox foram os exemplos dados, sendo que o navegador da Mozilla suporta dispositivos desde a versão 2.3 do Android.

Também é desaconselhável aceder a conteúdos de páginas que não usem o protocolo HTTPS, mas este é um aviso sobretudo para os programadores que devem impedir que as suas aplicações executem páginas sem este sistema de segurança.

E claro, manter-se longe de conteúdos suspeitos e aplicações de lojas externas também estão entre as práticas mínimas para assegurar um cenário de segurança dentro do possível.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.