A Samsung juntou-se à empresa NetSonda para produzir um estudo que mostrasse o papel da mobilidade no trabalho em Portugal. É o tablet um dispositivo comum entre os utilizadores portugueses? E de que forma é que o equipamento é usado num ambiente profissional?

Perante estas e mais perguntas, destacam-se algumas conclusões: 64% dos portugueses têm um tablet e destes, 70% assumem-se como heavy users, isto é, que passam um período de tempo significativo com o dispositivo. O estudo da Netsonda revela ainda que, em média, cada português passa 80 a 90 minutos por dia com o seu tablet. E há quem seja um tabletholic - 3% dos inquiridos assumem passar mais de 3 horas diariamente a usar o equipamento.

Mas no que diz respeito à mobilidade propriamente dita, os portugueses estão a explorar as potencialidades dos tablets: 77% dos inquiridos usam o dispositivo em casa e fora de casa. Os valores caem drasticamente quando o uso é exclusivamente fora de casa - apenas 1% dos portugueses o fazem.

Isto tudo para se perceber de que forma estão os portuguses a relacionar-se com o dispositivo móvel não só na vida privada, mas também na vida laboral. Dos inquiridos, 59% dizem fazer apenas um uso pessoal e 39% assumem o uso do tablet tanto numa perspetiva privada, como no ambiente de trabalho. Apenas 2% usam o tablet apenas e só no trabalho.

"Cada vez mais há uma mistura entre a vida pessoal e profissional também ao nível de dispositivos", salientou numa apresentação à imprensa a responsável por indicadores de consumo da Samsung Portugal, Inês Costa.

Mas o que fazem os portugueses com o tablet no trabalho? Ações não muito diferentes daquelas que fazem em casa. Aceder ao email lidera as respostas ao ser indicado em 88% dos casos, seguido de pesquisas na Internet com 80% das respostas. Ler jornais e revistas e navegar nas redes sociais são os ‘comportamentos’ que se seguem na lista.

Um tablet e alguns periféricos chegam para trabalhar
“Para a Samsung o desafio é passar do consumo de conteúdos para a sua produção”, considera o gestor do segmento empresarial da empresa, Nuno Almeida.

O executivo considera que o tablet, como dispositivo, está a ganhar tal importância que em algumas empresas “já faz parte do pacote negocial com os colaboradores”. “Na área empresarial a tendência vai evoluir no sentido do tablet agregado a outros periféricos, como os teclados e ratos Bluetooth”, acrescentou.

Confrontado com a ideia de que os híbridos e os próprios smartphones querem assumir o protagonismo da mobilidade sem comprometer a produtividade, Nuno Almeida diz que “a tecnologia vai estar disponível e será uma questão de escolha do consumidor", mas que o tamanho do ecrã dos dispositivos será crucial para quem tem preferência pela produtividade. Isso aliado à rapidez de acesso e à facilidade de partilha, pode fazer com que o tablet saia a ganhar.

O responsável da Samsung Portugal deixou ainda um aviso relativamente à adoção da mobilidade por parte das empresas: aquelas que não estiverem preparadas para garantir as melhores condições aos colaboradores neste sentido, estão condenadas a perdê-los.

A Samsug tem como missão para 2016 sensibilizar as pequenas e médias empresas portuguesas para este cenário, já que a subsidiária tem conseguido passar a mensagem para os grandes clientes, sobretudo junto da banca.

Mas 'falar' não chega. Para provar que é possível trabalhar apenas com um tablet - e uma doca para ligar a um ecrã externo, por exemplo -, a Samsung vai arrancar no proximo ano com um projeto-piloto no qual um grupo de 20 colaboradores vão trabalhar exclusivamente neste ambiente móvel e descentralizado.

Nuno Almeida reiterou no entanto que há consciência de que o tablet não será solução para todas as vertentes de negócio, cabendo aos decisores de TI apostarem na mobilidade das tarefas que mais podem tirar proveito desta tendência.

Rui da Rocha Ferreira

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.