A chegada do iPhone X às lojas está por horas, mas, de acordo com Dan Riccio, vice-presidente do departamento de engenharia de hardware da Apple, o equipamento só deveria ser lançado em 2018. Em entrevista ao Mashable, o responsável afirmou que os planos iniciais previam uma estreia mais tardia, mas graças ao "trabalho árduo, ao talento e à determinação", a empresa foi capaz de o materializar com um ano de antecedência.

 

Segundo Riccio, a empresa decidiu encurtar o calendário do projeto a determinada altura, eliminando qualquer espaço para recuar com as decisões tomadas. A supressão do sensor de impressões digitais, no entanto, não foi uma consequência desta medida. De acordo com o responsável, o design do iPhone X foi fechado em novembro do ano passado e já nessa altura estava decidido que o equipamento não iria contar com esse sensor biométrico.

Apesar de não ter sido confirmado por Riccio, é possível que a gigante de Cupertino tenha sentido necessidade de acelerar o desenvolvimento deste smartphone depois de confirmar que quase todos os grandes nomes da indústria iriam lançar um telemóvel sem molduras, com vários meses de antecedência. Alguns dos exemplos já disponíveis no mercado desde a primeira metade do ano são o Samsung Galaxy S8, o LG V30, o LG G6 e o Essential Phone.

Recorde-se que, segundo a Apple, as encomendas do iPhone X estão a superar todas as expectativas.