Os novos smartphones da Wiko foram apresentados no Mobile World Congress, em Barcelona, mas na altura não relevaram todo o potencial, especialmente da dupla câmara fotográfica, que podia ser vista em ação, mas não usada. Mas agora o suspense terminou, e a marca mostrou hoje em Lisboa o seu potencial, e escolheu um cenário sobre o rio Tejo, cheio de luz, para o fazer.

Os dois equipamentos não são algo a que a Wiko nos tenha habituado. A construção em alumínio e as linhas arredondadas tornam o Wim um smartphone elegante e parecido com um topo de gama que assenta muito bem na mão. Mas o grande destaque deste gama média alta são as duas câmaras traseiras.

Já a versão Lite é, como costuma ser habitual nos smartphone “lite”, uma versão mais modesta do modelo original. Neste caso a segunda câmara desparece e ficamos perante um equipamento mais “normal” (não que isso seja mau).

O Wim vem com um ecrã de 5,5 polegadas Full HD e no interior conta com um processador Snapdragon 626. Tem 4GB de RAM e uma memória interna de 32 ou de 64 GB que pode ser aumentada com um cartão microSD.

 

A bateria é de 3200 mAh e suporta a tecnologia Quick Charge. O ponto principal do equipamento, as duas câmaras, contam com 13 MP cada e uma abertura f/2.0, sendo que uma delas é RGB e a outra monocromática. A câmara frontal sobe para os 16 MP.

Na versão Lite o ecrã é reduzido para as 5 polegadas e o processador é reduzido para um Snapdragon 435. Vem com 3GB de RAM e existe apenas a versão de 16GB de memória interna, qua pode também ser aumentada com um cartão microSD.

A bateria é um pouco mais pequena, 3000 mAh, e não tem carregamento rápido como o irmão. Atrás conta com uma única câmara de 13 MP e à frente mantém os 16 MP.

Os dois equipamentos são confortáveis ao toque mas também atraem muitas “dedadas” devido às traseiras brilhantes.

As primeiras impressões da câmaras deixam-nos a acreditar que foi uma aposta muito bem feita por parte da empresa. O Wim consegue resultados muito impressionantes para um gama média, com uma resolução acima do normal e umas cores vivas e bastante equilibradas no geral. As duas câmaras funcionam em conjunto para proporcionar um maior desfoque do fundo das imagens e fazendo sobressair o objeto que está em primeiro plano.

A Wiko integrou no Wim a tecnologia Clear Sight para que as câmaras funcionam um pouco como o olho humano, ajustando-se automaticamente consoante a iluminação local e oferecendo, supostamente, resultados melhores em ambientes pouco iluminados.

O modelo Lite também não desilude no que toca às fotografias. São fotos equilibradas mas perde um pouco no que toca ao controlo de brancos. Apesar disso as cores são vibrantes e agradáveis quando comparadas com outros equipamentos dentro da gama média.

Ambos os equipamentos vêm com o Android Nougat (7.0) e têm suporte para dois cartões SIM. O leitor de impressões digitais está presente nos dois equipamentos mas, enquanto o Wim tem o sensor à frente, no botão central, o Wim Lite tem o sensor colocado na traseira do equipamento.

O leitor de impressões digitais permite ainda atribuir até cinco ações diferentes (uma para cada dedo) podendo o utilizador decidir o que cada dedo irá fazer.

A partir da próxima semana os equipamentos já vão estar disponíveis para compra com o Wim a começar nos 449 euros.