No nosso Sistema Solar, a Terra e os outros planetas orbitam em redor do "astro-rei". Os rogue planets ou  planetas interestelares, por sua vez, não estão vinculados a qualquer estrela, vagueando livremente no meio da escuridão galáctica.

Afastam-se tanto da luz das estrelas, que são muito difíceis de ver, algo que poderá estar prestes a mudar, no entanto.

Em meados desta década, a NASA pretende lançar o Nancy Grace Roman Space Telescope, um novo observatório espacial com uma ótica capaz de oferecer um campo de visão 100 vezes maior do que o famoso Hubble.

Simulações feitas, entretanto, mostram que as capacidades do novo telescópio espacial conseguirão colocar a nu uma miríade de destes planetas errantes. O objetivo é que o estudo desses mundos "rebeldes" ajude a comunidade científica a entender melhor como os sistemas planetários se formam, evoluem e se separam.

"À medida que nossa visão do universo se expandiu, percebemos que nosso sistema solar pode ser incomum", refere Samson Johnson, da Ohio State University, que liderou a pesquisa, citado pela NASA.

"O Nancy Grace Roman vai ajudar-nos a saber mais sobre como nos encaixamos no esquema cósmico das coisas"

O resultado das simulações, publicado no Astronomical Journal, centra-se na capacidade do Nancy Grace Roman Space Telescope localizar e caracterizar planetas isolados. Os astrónomos descobriram apenas em forma tentada alguns desses mundos nómadas até agora porque são muito difíceis de detetar.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.