No nosso Sistema Solar, a Terra e os outros planetas orbitam em redor do "astro-rei". Os rogue planets ou  planetas interestelares, por sua vez, não estão vinculados a qualquer estrela, vagueando livremente no meio da escuridão galáctica.

Afastam-se tanto da luz das estrelas, que são muito difíceis de ver, algo que poderá estar prestes a mudar, no entanto.

Em meados desta década, a NASA pretende lançar o Nancy Grace Roman Space Telescope, um novo observatório espacial com uma ótica capaz de oferecer um campo de visão 100 vezes maior do que o famoso Hubble.

Simulações feitas, entretanto, mostram que as capacidades do novo telescópio espacial conseguirão colocar a nu uma miríade de destes planetas errantes. O objetivo é que o estudo desses mundos "rebeldes" ajude a comunidade científica a entender melhor como os sistemas planetários se formam, evoluem e se separam.

"À medida que nossa visão do universo se expandiu, percebemos que nosso sistema solar pode ser incomum", refere Samson Johnson, da Ohio State University, que liderou a pesquisa, citado pela NASA.

"O Nancy Grace Roman vai ajudar-nos a saber mais sobre como nos encaixamos no esquema cósmico das coisas"

O resultado das simulações, publicado no Astronomical Journal, centra-se na capacidade do Nancy Grace Roman Space Telescope localizar e caracterizar planetas isolados. Os astrónomos descobriram apenas em forma tentada alguns desses mundos nómadas até agora porque são muito difíceis de detetar.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.