O conceito de vídeos imersivos já está aí há algum tempo, mas nos últimos meses a tecnologia tem-se tornado mais acessível, assim como os preços dos equipamentos, e são muitos os fabricantes que se perfilam para lançar comercialmente produtos nesta área.

O espaço da feira é possível andar em montanhas russas, com os abanões associados, assistir a filmes, jogar e pintar virtualmente, e experimentar atividades radicais na Catalunha. E não faltam interessados em fazer tudo isto virtualmente, enquanto muitos outros se deliciam a ver as figuras (um bocado parvas) que faz quem tem os óculos colocados.

A Samsung abriu as hostilidades com a conferência dos Galaxy S7 e S7 Edge e a apresentação com os Gear VR, e o “efeito” até permitiu que Mark Zuckerberg tivesse entrado “à socapa” num auditório com quase 5 mil jornalistas e analistas sem que ninguém, ou quase ninguém, se tivesse apercebido. Divertido e assustador ao mesmo tempo.

Continuando a apostar nos seus Gear VR, e em desenvolvimentos nesta área em parceria com o Facebook e a Oculus Rift, a Samsung anunciou também uma câmara que promete massificar a produção de vídeos imersivos e que deve chegar ao mercado “em breve” e que o TeK já experimentou.

Mas os anúncios sucederam-se: a Alcatel anunciou uns óculos que funcionam em conjunto com o seu novo smartphone Idol 4, a LG tem também uns óculos de gama média, mas que se ligam ao telemóvel ou tablet via cabo, a HTC está a fazer sensação com os Vive que são ainda mais caros do que os Oculus Rift e têm comandos anexados, e a Epson tem uma nova versão dos seus óculos de realidade aumentada.

Nas câmaras também não faltam novidades para captar vídeos em 360 graus e imersivos. Para além dos Gear 360 da Samsung há duas propostas da LG, o robot Rolling Bot e a G 360 Cam, e nos próximos meses é muito provável que o YouTube e o Facebook sejam inundados de vídeos em 360º, até porque a tendência deixará de ser “vê o que eu fiz” para se tornar no “vê o que eu vi”.

O TeK já experimentou todos os modelos de óculos de realidade virtual e realidade aumentada, embora ainda não tenha usado os HoleLens da Microsoft que se posicionam numa categoria à parte, mas que ainda são matéria reservada a muito poucos.

A experiência é interessante para ver vídeos e jogos, e também para alguns eventos especiais, como aconteceu com a transmissão de um jogo do FC Porto , mas embora o conceito já não seja novo, a realidade virtual tem ainda muito caminho a percorrer para passar da fase do entusiasmo inicial à massificação.

A diferença entre as marcas faz-se pela qualidade dos óculos e a engenharia associada, que influencia naturalmente o preço, mas também pela qualidade dos conteúdos. Muitos vídeos são ainda demasiado pixelizados e empastelados para valer a pena visualizá-los em óculos de realidade virtual e em poucos minutos qualquer utilizador fica cansado. Mesmo que seja a voar sobre penhascos ou a experimentar a adrenalina das montanhas russas.

Alguns projetos de captura de vídeo de maior qualidade podem fazer a diferença, como a câmara da Nokia, a Ozo, que está numa categoria profissional (também pelo preço) e cujos resultados tivemos oportunidade de experimentar também na MWC16. As novas câmaras de 360º que estão a chegar ao mercado podem trazer uma lufada de ar fresco mas não temos a certeza que sejam o elemento chave para mudar as regras deste jogo.

Para já deixamos a todos os interessados em experimentar uma conselho (grátis): experimentem antes de comprar. E não apenas por dois ou três minutos. E comparem a qualidade e não apenas o preço.

A qualidade varia muito entre os produtos que estão no mercado e os que agora foram anunciados e por vezes vale mais investir mais algum dinheiro para ter uma melhor experiência, ou esperar algum tempo até que as propostas amadureçam.

Fátima Caçador, em Barcelona

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.