Até aqui, com mais ou menos sobressaltos, a missão do Solar Impulse estava a ser bem sucedida e nada parecia condicionar a viagem de volta ao mundo do avião elétrico. Surgiram no entanto problemas nas baterias do veículo e o mesmo vai ficar em terra durante duas a três semanas.

Agora os temores são outros: o Solar Impulse pode não voltar a voar em 2015. Apesar do problema das baterias poder ser resolvido, a grande questão está relacionada com a janela meteorológica para a travessia atlântica.

Devido ao período de reparação e à calendarização relacionada com as anteriores missões - que levaram a semanas de atrasos - o Solar Impulse pode não ter condições para uma travessia Atlântica. Isto por causa da estrutura do avião - envergadura de 72 metros - e da sua leveza. Tudo o que apontar para uma travessia além de agosto, pode criar um atraso de longo termo na viagem de volta ao mundo.

Não que o atraso vá retirar o valor e mérito do projeto, mas pode acabar por condicionar a mensagem que os responsáveis pelo Solar Impulse quer passar: é possível usar as energias verdes para viagens de grande distância, incluindo de avião. Um período de "hibernação" significará forçosamente menos mediatismo para o projeto.

Só nos próximos dias, à medida que as reparações vão acontecendo, é que será possível determinar uma nova data de voo e perceber se o Solar Impulse completa a sua missão este ano ou se terá de esperar por 2016 para a concretização do projeto.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.