O presidente dos assuntos globais da tecnológica, Kent Walker, afirmou que os ciberataques aumentaram a nível mundial cerca de 38% em 2022 e as novas tecnologias como a inteligência artificial (IA) trazem consigo "ameaças que são cada vez mais sofisticadas", pelo que é necessário "trabalhar juntos à escala internacional".

Apesar destas ameaças, a Europa enfrenta uma escassez de talento na área da segurança digital, que no passado se cifrou em 500.000 profissionais.

Por essa razão, durante a inauguração do GSEC Málaga, que se soma a dois centros com estas características da Google em Dublin (Irlanda) e Munique (Alemanha), Kent Walker anunciou que a tecnológica vai avançar com um programa através da Google.org para melhorar a formação europeia em cibersegurança.

Trata-se de um convite aberto às universidades europeias para que apresentem a sua candidatura para acolher um seminário sobre cibersegurança, no qual serão selecionados oito de outros tantos países (Espanha, polónia, Ucrânia, França, Alemanha, Grécia, Roménia e República Checa), que receberão um financiamento de até um milhão de dólares.

Google abre centro de cibersegurança em Málaga para ajudar na construção de uma Europa mais segura
Google abre centro de cibersegurança em Málaga para ajudar na construção de uma Europa mais segura
Ver artigo

Além do apoio financeiro, também beneficiarão da orientação educacional e de recursos proporcionados pela Iniciativa Europeia de Investigação sobre Ciberconflitos (ECCRI), que irá elaborar um plano de estudos e receberá outros dois milhões de dólares.

No total é esperado que participem mais de 1.600 estudantes, que devem pôr em prática os conhecimentos adquirirdos durante o seminário ajudando um total de 3.200 organizações locais a proteger-se contra possíveis ataques.

Em toda a Europa, a Google já deu formação em competências digitais a 12 milhões de pessoas, mas pretende "crescer mais", de acordo com Walker, que estava acompanhado pelo diretor de segurança informática da Google Cloud, Phil Venables, entre outros.

"Deveríamos ter a liberdade de utilizar a tecnologia sem medo que a nossa informação acabe em mãos erradas", salientou Phil Venables.

Já a vice-presidente do Parlamento Europeu e responsável pela cibersegurança, Dita Charanzová, que fez uma intervenção através de vídeo, e incentivou a colaboração público-privada para proteger a economia digitalizada, uma vez que "as ameaças só aumentam, é como brincar de gato e rato".

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.