A Mandiant, empresa de cibersegurança contratada pela Equifax para investigar o ataque, completou a sua análise do incidente e revelou que foram roubadas mais informações do que se pensava de início.

Dados pessoais como nomes, datas de nascimento, moradas e números de segurança social foram comprometidos, mas se nos EUA o número de vítimas aumentou, no Canadá a estimativa de consumidores afetados pelo incidente desceu de 100 mil para cerca de 8 mil.

A empresa de gestão de crédito ainda está a avaliar quantos residentes do Reino Unido poderão ter sido comprometidos.

No entanto, o aumento do número de vítimas não é sinónimo de um novo ataque, mas sim de que “esta população adicional de consumidores foi confirmada durante a conclusão dos vários procedimentos de garantia de qualidade incorporados no processo de investigação da Mandiant”, segundo refere a Equifax em comunicado de imprensa.

"Quero pedir novamente desculpas a todos os consumidores afetados. À medida que esta fase importante do nosso trabalho vai sendo concluída, vamos continuando a tomar várias medidas para rever e melhorar as nossas práticas de segurança cibernética”,  disse o presidente interino, Paulino do Rego Barros Jr.

A Equifax diz que, para além de adicionar os 2,5 milhões de nomes à página onde os utilizadores podem verificar se os seus dados estão em risco, vai avisar por escrito os recém-descobertos clientes afetados "para minimizar a confusão".

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.