(Actualizada) Ser o primeiro nem sempre é bom. Que o digam os fabricantes de computadores que adoptaram logo de início os novos processadores Core de segunda geração da Intel, conhecidos como Sandy Bridge.

Poucas semanas depois do anúncio oficial dos processadores e dos novos chipsets a Intel descobriu erros no design nas placas Intel 6 Series (conhecidas pelo nome de código Cougar Point) que provocava a degradação das portas SATA (Serial-ATA), resultando na redução da performance das funcionalidades de equipamentos que recorriam a esta ligação, como discos rígidos e drives de DVD.

Apesar da Intel ter implementado rapidamente uma solução o resultado foi o atraso no lançamento de alguns artigos, e a necessidade de corrigir os que já estavam no mercado. A fabricante de semicondutores afirma agora que a solução deverá estar pronta ainda este mês, com produção em volume garantida a partir de Abril.

Em Portugal duas marcas de implementadores lusos tinham sido as primeiras a comercializar computadores com os novos processadores, a J.P. Sá Couto e a Inforlandia, como o TeK já tinha escrito. As marcas internacionais estavam ainda a preparar lançamentos e renovação de linha, mas noutros mercados enfrentaram o mesmo problema de ter à venda produtos com "defeito".

Embora realce que alguns equipamentos não terão, na prática, qualquer problema derivado do erro nos chipsets - nomeadamente os portáteis sem porta eSATA, a João Roseiro, director comercial da Inforlandia, garante que a INSYS "assegura a troca de equipamentos aos seus clientes que tenham adquirido algum produto onde haja possibilidade de reflectir os sintomas detectados pela Intel".

[caption]Nome imagem[/caption]

Mesmo assim os equipamentos que estão identificados como susceptíveis de ter futuros sintomas "foram entretanto retirados temporariamente dos pontos de venda e mal estejam resolvidas as questões técnicas serão novamente repostas à venda", adianta ainda ao TeK.

João Roseiro espera que agora mais informações da Intel para repor a situação, afirmando que "na segunda fase do lançamento de processadores da nova geração a 20 de Fevereiro seja já possível a venda dos mesmos", uma data já próxima.

No caso da J.P. Sá Couto, responsável pela marca TSUNAMI, a filosofia é semelhante. Ricardo Mendonça, gestor da marca, admite que os problemas levaram à suspensão temporária das novas linhas de produtos lançadas em Janeiro com estes CPUs, o que abrange as linhas TSUNAMI XXX 76W Series.

[caption]Nome imagem[/caption]

A empresa informou os parceiros e pediu a recolha das unidades vendidas "sem qualquer custo para o cliente, creditando o valor de venda", explica. Mesmo assim, caso o cliente queira manter a máquina, a será feita a substituição da Motherboard assim que a Intel disponibilizar a correcção do problema, também sem custos para o cliente.

Sem querer adiantar valores de prejuízos, Ricardo Mendonça afirma apenas que o volume de vendas de PCs com esta plataforma foi reduzido, representando apenas 8% dos PCs vendidos em Janeiro pela J.P.Sá Couto.

A Asus foi uma das que se apressou a fazer um comunicado oficial, até porque à data de divulgação do erro já tinha vários produtos da linha de Notebooks e Motherboards à venda. A empresa tem nesse comunicado a indicação dos modelos que foram afectados e o contacto da linha de apoio para quem quiser saber mais informações.

André Gonçalves, relações públicas da Asus em Portugal, explicou ao TeK que a empresa se comprometeu a "fazer a recolha de todos os produtos que temos no mercado nacional que façam uso do chipset da linha P/H67 da Intel para fazer a substituição dos mesmos e dando inclusive o reembolso do dinheiro".

[caption]Nome imagem[/caption]

Há porém a possibilidade dos utilizadores optarem por manter o equipamento e fazerem a actualização mais tarde, até porque o defeito não afecta as portas SATA 0 e como "a ASUS foi pioneira na implementação de portas extra SATA 3Gb/s e SATA 6Gb/s", não afectadas pelo erro, evita ficar sem o equipamento enquanto a correcção da Intel está a ser implementada, afirma o responsável pelas relações públicas da Asus em Portugal.

"Devido ao facto de sermos a empresa que em conjunto com a Intel mais esforço tem feito para a implementação da solução deste problema, seguramente voltaremos a ser os mais rápidos a ter produtos com a chipset solucionado no mercado nacional", sublinha.

Ainda sem portáteis Sandy Bridge à venda em Portugal, a Toshiba também admite que a chegada dos Satellite A660 e o Qosmio X500 - prevista para Fevereiro - , se vai atrasar, mas que mantém a intenção de renovar a gama até ao Verão. Aliás, a empresa anunciou esta semana, em Barcelona, um novo portátil, o R800, que vai estar disponível nas linhas Tecra, Satellite e Portégé.

A ACER, a Packard Bell, a HP e Samsung já comunicaram também a nível internacional que se comprometem a desenvolver uma solução com a Intel, garantindo a substituição sem custos para o cliente.

Fátima Caçador

Nota da Redacção: Foi feita uma correcção nas citações da Asus, onde era referido erradamente que o erro afecta as portas SATA 0, o que não acontece. O artigo foi também actualizado com mais informação.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.