Os novos servidores tiram partido da nova geração de processadores Epyc 7002 da AMD e vêm reforçar o portfólio da Lenovo com uma linha de equipamentos mais acessíveis às empresas de média dimensão, oferecendo a mesma performance que um servidor dual-socket mas a custo de um modelo single-socket.

Irene Acedo-Rico Gonzalez, diretora executiva da área de enterprise na Lenovo Ibéria, explicou ao SAPO TEK que estes novos servidores respondem a uma necessidade das empresas que precisam de equipamentos que ocupem menos espaço, consumam menos energia e sejam mais eficientes, reduzindo globalmente o custo total (TCO) associado à manutenção das máquinas.

Os servidores ThinkSystem SR635 e SR655 foram desenhados especificamente para gerir ambientes de utilização intensiva de dados, como segurança por vídeo e armazenamento e inteligência de redes, assim como virtualização e ambientes de edge computing. Tudo num pacote que permite facilmente garantir a segurança e a escalabilidade das soluções.

Na prática os novos servidores vão ajudar as empresas a gerirem mais carga de trabalhos em menos servidores, e conseguir ao mesmo tempo optimizar os sistemas de informação com orçamentos mais curtos, como destacou Miguel Terol, DCG HPC Solutions Architect da Lenovo. O licenciamento de software é um dos custos que vai ser reduzido porque há muitas soluções em que o preço é definido por número de sockets, como as bases de dados Oracle, por exemplo, e a estimativa é que se alcance aqui uma poupança potencial de 73%.

Junto com uma maior eficiência energética, que decorre da optimização do próprio processador da AMD mas também da compactação do servidor single-socket, o custo total de posse dos novos ThinkSystem pode ser reduzido em 46%, garantindo melhor preço por performance.

A Lenovo já tinha vários servidores na linha ThinkSystems, dirigidos a um mercado de empresas de maior dimensão, e estes novos servidores podem abrir novas oportunidades no segmento médio, como adianta Irene Acedo-Rico Gonzalez, que tem boas expectativas para o mercado ibérico, onde as empresas de média dimensão representam uma fatia muito importante da economia.

"Somos muito fortes em HPC e temos uma boa quota de mercado em grandes contas, mas queremos crescer no mercado de médias empresas", afirmou ao SAPO TEK.

O principal potencial dos novos ThinkSystems está identificado nas empresas com até 100 pessoas, mas "a realidade é que vemos potencial também para a área de finança e banca, por causa das velocidade e resposta em tempo real, assim como para as telecomunicações que precisam de esiliência. E também para a área da saúde, com capacidade de gerir big data e machine learning", afirmou.

Mesmo sem detalhar preços, a responsável ibérica garantiu que "são muito competitivos", explicando que os servidores vão estar disponíveis através de canal no outono.

A boa performance da área de enterprise da Lenovo no mercado ibérico foi ainda destacada por Irene Acedo-Rico Gonzalez que admitiu que a quota de mercado da empresa ainda é mais baixa em Portugal do que em Espanha mas que acredita que estas novas soluções podem contribuir para equilibrar os resultados, sendo "um elemento importante para concorrer com outras marcas". A empresa está também a reforçar a equipa em Portugal onde o potencial de mercado é reconhecido com grande margem de crescimento potencial.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.