Os resultados de um estudo realizado nos Estados Unidos, com recurso ao supercomputador Nautilus SGI UV, demonstram que as recentes revoluções na Líbia e no Egipto poderiam ter sido previstas.

Kalev Leetaru, do instituto de computação aplicada às humanidades, artes e ciências sociais, da Universidade de Illinois, afirma que o modelo que utilizou pode ser adaptado para prever, em tempo real, eventos sociais importantes.

Para esta primeira experiência, o investigador submeteu a análise 100 milhões de artigos de fontes como a instituição governamental Open Source Centre (que fornece informação sobre sobre política externa, militar e económica) ou do arquivo de notícias do New York Times, incluindo artigos produzidos desde 1945.

De acordo com o responsável, o método que foi aplicado para analisar informação referente a eventos que já aconteceram, pode ser adaptado para a introdução e análise de dados em tempo real, à medida que os acontecimentos vão tendo lugar, fornecendo previsões.

"Esse será o próximo passo", garante o investigador, citado pela BBC. Segundo Kalev Leetaru, o procedimento assemelha-se ao desempenhado pelos algoritmos usados para fazer previsões económicas.

Durante o estudo agora apresentado, o supercomputador de 1.024 núcleos Intel Nehalem (cujo poder de processamento ascende aos 8,2 teraflops) foi usado para analisar 100 milhões de artigos atendendo a dois tipos de informação: a relativa aos sentimentos manifestados ("mood") e outra à localização geográfica.

Os termos associados às duas categorias encontrados nos vários artigos permitiram estabelecer uma rede de 100 mil milhões de relações e teriam permitido saber, por exemplo, que a localização provável de Osama Bin Laden era no Afeganistão ou que a Líbia e o Egipto se preparavam para viver uma revolução.




Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.