A versão do Windows sem Media Player vai chegar às mãos dos fabricantes de PCs na próxima semana e aos retalhistas no dia um de Julho, garantiu a Microsoft. Esta versão do Windows, sem software de média, foi uma das imposições da Comissão Europeia na sua decisão ao caso de anti-trust que envolvia a gigante americana.



A conclusão do caso teve lugar ainda no ano passado e impunha à Microsoft penalizações a três níveis: uma multa em dinheiro, a disponibilização de uma versão do Windows XP sem software de media e melhorar a interoperabilidade entre os seus sistemas operativos e as soluções de outros fabricantes.



No que respeita à nova versão do Windows, a primeira proposta da Microsoft mereceu imediatamente a reprovação da CE. A empresa propôs que esta nova versão se chamasse Microsoft XP Reduced, designação que os especialistas consideraram pejorativa e passível de induzir o consumidor a pensar que se trataria de uma versão incompleta.



Depois da recusa da CE em aceitar o nome proposto pela Microsoft para designar a nova versão do Windows, a empresa reformulou e em Março apresentou uma nova proposta, o Windows XP N, sendo que o N pretende significar Not with Windows Media Player, conforme virá explicado na embalagem do produto.



Além destes detalhes a Microsoft fez saber que numa primeira fase o Windows XP N vai estar disponível em cinco línguas, nas versões profissional e doméstica. As restantes línguas ficam disponíveis ainda durante o mês de Julho. O preço desta nova versão é igual ao preço da versão standard.



As alterações são poucas mais e dizem respeito à remoção dos ficheiros de música simples do My Music Folder e do acesso ao Windows Movie Maker.



A partir do site da Microsoft será possível fazer o download do Media Player, o que permitirá aos utilizadores da versão reduzida, que entretanto pretendam voltar à versão standard, faze-lo de forma fácil.



Recorde-se que o principal objectivo da medida que impõe a disponibilização de uma nova versão do XP é abrir o mercado aos concorrentes com soluções de média. Tendo em conta que a Microsoft está em 95 por cento dos desktop e que a sua suite já incluía software de média tornava-se quase impossível para os concorrentes venderem os seus produtos, alegavam.



Também esta semana a Microsoft apresentou um conjunto de propostas para responder a uma outra componente da sanção europeia que se relaciona com a interoperabilidade do seu software (ver notícias relacionadas).



Notícias Relacionadas:

2005-06-06 - Comissão Europeia avalia novas propostas da Microsoft para interoperabilidade

2005-03-29 - Comissão e Microsoft chegam a acordo sobre denominação de Windows XP sem Media Player

2005-01-31 - Microsoft aceita escolher novo nome para versão europeia do XP sem Media Player

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.