Foi aprovada uma nova lei nos Estados Unidos que prevê o aumento das penas para aqueles que utilizem spyware com fins maliciosos. A norma indica que quem se fizer valer deste tipo de software para práticas fraudulentas deverá pagar uma multa e ser castigado com até cinco anos de prisão.




Apesar de representar um reforço à legislação anteriormente aprovada pelo governo norte-americano, a lei não inclui cláusulas que obriguem os fabricantes de software a notificar de forma clara os seus clientes quando os programas vendidos contêm spyware.




Zoe Lofgren, representante diplomática da Califórnia, e principal promotora da lei, justifica as observações referindo que a nova regra "protege os consumidores na Internet sem oprimir a inovação tecnológica", escreve a Reuters.




A norma aprovada pela Câmara dos Representantes é apoiada pela indústria, nomeadamente pela Microsoft, Dell, Symantec e por várias empresa de publicidade online prevê a punição de todos aqueles que introduzam ilegalmente códigos maliciosos em computadores e quebrem as barreiras de segurança das máquinas com o objectivo de, por exemplo, retirar informações pessoais acerca dos utilizadores.




O spyware tornou-se uma das principais preocupações para os utilizadores de computadores. A facilidade com que estes códigos são introduzidos nas máquinas, seja através de um jogo, por email ou pela descarga de um programa na Internet faz com que o número de ataques continue em fase ascendente assim como o número de casos de roubo de identidade online.




Notícias Relacionadas:

2007-02-05 - Spam, phishing e rootkits entre as principais ameaças de segurança para 2007

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.