Agora que o número de casos de COVID-19 ultrapassa os 5.000 nos Estados Unidos, o Governo de Donald Trump está em negociação com gigantes tecnológicas, como a Google, e com especialistas na área da saúde para desenvolver um plano de forma a travar a disseminação da doença no país.

De acordo com fontes internas a que o The Washington Post teve acesso, o plano passa por usar os dados de localização dos smartphones para determinar a probabilidade de transmissão em diferentes regiões nos Estados Unidos. Os dados poderão também ser utilizados para perceber se a população norte-americana está, de facto, a cumprir as normas de quarentena ou de isolamento voluntário.

Embora o projeto possa levantar questões a nível da privacidade dos utilizadores, as fontes afirmam que os dados recolhidos serão agregados e tornados anónimos, sublinhando que as informações não serão utilizadas para seguir as ações de determinados indivíduos.

Embora o jornal-norte americano avançasse que o Facebook também estaria envolvido na parceria, Mark Zuckerberg confirmou à imprensa internacional, via videoconferência, que tal não é verdade. "Não estamos a par de qualquer tipo de negociação da nossa empresa com o Governo dos Estados Unidos, ou outro Executivo, que envolva a partilha de dados", elucidou o CEO da rede social. "Não imagino que fizesse sentido partilhar as informações dos utilizadores de uma forma em que estes não tivessem oportunidade de dizer se queriam ou não participar".

A Google confirmou à imprensa que está a trabalhar em parceria com o Executivo de Donald Trump. “Estamos a desenvolver uma forma de utilizar as informações de localização agregadas e anónimas para combater o COVID-19”, afirmou Johnny Luu, um porta-voz da empresa. “Uma das formas poderá ajudar as entidades de saúde a determinar o impacto do isolamento”. A Google também sublinha que não partilhará dados acerca da localização ou contactos de um determinado indivíduo.

Israel está a utilizar a localização dos smartphones para monitorizar a disseminação do coronavírus
Israel está a utilizar a localização dos smartphones para monitorizar a disseminação do coronavírus
Ver artigo

A notícia da parceria entre o Governo norte-americano e as gigantes tecnológicas surge após Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro de Israel, ter autorizado a agência de segurança interna do país a utilizar dados recolhidos dos telemóveis da população para combater o coronavírus.

Na prática, o governo israelita quer enviar alertar diretamente os indivíduos que não estão a respeitar a quarentena, ordenando-os que o façam. O executivo de Benjamin Netanyahu acredita que a medida pode ser eficiente, uma vez que, ao cruzar a localização destes dados, é possível aferir quem é que esteve em contacto com uma pessoa infetada.

Ainda no início de fevereiro, a China lançou a “Close Contact Detector”, uma aplicação que é capaz de monitorizar o número de pacientes infetados e alertar um utilizador caso tenha estado em contacto próximo de alguém doente.

China lança aplicação para detetar potenciais casos de infeção pelo Coronavírus
China lança aplicação para detetar potenciais casos de infeção pelo Coronavírus
Ver artigo

Criada pelo Governo de Xi Jinping em parceria com a Comissão Nacional de Saúde e com a China Electronics Technology Group Corporation, a aplicação tem por base os dados recolhidos pelos vários sistemas de vigilância existentes no país.

Nota de redação: A notícia foi atualizada com informação relativamente à participação do Facebook no plano do Governo de Donald Trump. (Última atualização: 9h04)

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.