Segundo noticia o The Guardian esta segunda-feira, o Facebook foi "chamado" a avaliar cerca de 54 mil potenciais casos de chantagem sexual num único mês.

O jornal britânico cita um documento interno a que teve acesso e acrescenta que, só em janeiro, a rede social viu-se obrigada a eliminar mais de 14 mil contas por casos relacionados com este problema. Do total, 33 envolviam crianças.

A contabilização foi feita com base nas denúncias dos utilizadores, mas o problema pode ser maior do que isto.

O Facebook ainda tem vídeos violentos porque (quase) tudo depende de um contexto
O Facebook ainda tem vídeos violentos porque (quase) tudo depende de um contexto
Ver artigo

A inexistência de filtros entre as intenções dos utilizadores em publicarem conteúdos abusivos online e a efetiva publicação dos mesmos cria uma vantagem face à plataforma que só pode ser corrigida à posteriori. O sistema, constituído nesta base, tem assim permitido a partilha de milhares de vídeos e imagens que violam as políticas do Facebook. A chantagem sexual é dos tipos de publicação que constitui parte do problema.

Nestes casos, são utilizadas fotografias e clips comprometedores da vítima para a humilhar e envergonhar (revenge porn) ou até para obter favores em troca da não publicação destes conteúdos (sextortion).

Segundo as regras de ação do Facebook, que foram publicadas na internet este fim-de-semana, a rede social tem dificuldades em delinear um limite entre as publicações sexuais aceitáveis e as não aceitáveis. Apesar de não serem permitidas publicações de imagens sexuais não consentidas, os documentos determinam também que podem ser partilhados conteúdos com representações gráficas de "sexo oral", "manual" e "penetrações", criando um plano de decisão difícil para os moderadores do website que, descontextualizados do propósito dos posts, podem nem sempre decidir de maneira acertada.

Forte aumento de queixas por Sextortion leva Polícia Judiciária a lançar novo alerta
Forte aumento de queixas por Sextortion leva Polícia Judiciária a lançar novo alerta
Ver artigo

Em adição, é também permitida a utilização de linguagem sexual explícita, como "vou-te f****", por exemplo, mas, por outro lado, não é aceite que se escrevam estas frases com detalhes específicos acerca da localização ou da hora. Neste último caso, o texto deve ser eliminado assim que reportado.

Comentários como "E se eu te f****** esse c*?" ou "Eu gostava de f**** a c*** desta c****", também eram permitidos até há pouco tempo.

A confusão, no entanto, continua no domínio da nudez e da sexualidade. Como escreve o The Guardian, o Facebook permite que sejam partilhados conteúdos com nudez "desenhada ou concebida digitalmente" e atividades sexuais "desenhadas", mas não "concebidas digitalmente". Porém, se os posts com atividades sexuais forem denunciados, os moderadores devem eliminá-los.

Em resposta, o Facebook já prometeu simplificar o processo de remoção de conteúdos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.