Mark Zuckerberg vai vender 41,4 milhões de ações da rede social que fundou, numa operação que lhe renderá 2,3 mil milhões de dólares, tendo em conta o valor de fecho das ações da empresa ontem. Com a venda Zuckerberg reduz os direitos de voto na rede social mas apenas de forma discreta, já que em simultâneo com a venda das ações de Classe A está a comprar 60 milhões de ações de Classe B.



Em comunicado o Facebook explicou que ainda não tem destino para o dinheiro que irá receber com a operação, mas adianta a hipótese de vir a usar uma parte significativa dessas receitas para a aquisição de negócios complementares à atividade da rede social, tecnologias ou outros ativos.



As compras de outras empresas e tecnologias tem sido uma prática comum na estratégia de expansão do Facebook, que entre as compras mais emblemáticas tem a da rede social de fotografia Instagram, pela qual pagou 715 milhões de dólares.



O Facebook está na bolsa desde maio de 2012. Chegou ao principal índice tecnológico do mundo com um valor por ação recorde para uma startup e nos meses seguintes caiu a pique. Recuperou a trajetória, à medida que foi conseguindo consolidar um modelo de negócio cada vez mais centrado na publicidade e nos acessos via telemóvel que já representa uma parte significativa do "movimento" da rede social.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.