O cabo submarino de fibra ótica para transmissão de dados foi aprovado e vai ligar Portugal, através de Sines a Fortaleza, ao Brasil, tornando mais próximo a ligação entre a Europa e a América Latina. O cabo intercontinental, que recebeu o nome de EllaLink, é fruto do acordo entre a EllaLink e a Alcatel Submarine Networks (ASN). A sua construção arranca nos primeiros meses de 2019.

No comunicado da Fundação para a Ciência e Tecnologia, que faz parte do consórcio BELLA, para a construção do cabo, é referido que o projeto vai permitir elevadas capacidades de transmissão de dados de internet entre os dois continentes, destacando a sua utilização na investigação e educação.

cabo ótico

A primeira fase dos trabalhos de construção passará por analisar o fundo do oceano, para definir a rota do cabo submarino, e o fabrico dos materiais necessários à empreitada. A identificação da localização exata e a preparação das estações terrestres deverá acontecer em simultâneo. O cabo terá quase 10.000 quilómetros de extensão e permitirá atingir velocidades de transmissão de dados de 100 Gbs por segundo (superior aos atuais 10 Gbs).

Prevê-se que a primeira transmissão de dados através do novo cabo ótico ocorra no final de 2020. Nos próximos 25 anos, este cabo irá responder às necessidades de partilha e colaboração entre as comunidades de investigação e ensino entre a Europa e América Latina.

Para Erik Huizer, CEO da GÉANT, uma das empresas do consórcio, “esta data é muito importante para o programa BELLA”, destacando a importância do mesmo no suporte da ciência aberta e a partilha de conhecimento, com um forte impacto em serviços de observação terrestre, como o caso do Copernicus. Acredita que para além dos benefícios para a comunidade científica e ensino, o cabo ótico irá ser bom para a sociedade em geral. O impacto na economia para as duas regiões é outro ponto positivo que o CEO da RedCLARA destaca.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.