O Governo de Macau vai criar uma instituição técnica dedicada às questões da segurança online. O regulamento administrativo que deu origem à Comissão para a Cibersegurança, Centro de Alerta e Resposta a Incidentes de Cibersegurança e entidades de supervisão de cibersegurança (CARIC) vai entrar em vigor no território a partir de 22 de dezembro deste ano.

O executivo macaense indica em comunicado à imprensa que o órgão presidido pelo chefe do Governo tem como responsabilidade definir “a orientação geral, os objetivos e as estratégias no âmbito da cibersegurança”. A CARIC acompanhará também o desenvolvimento e funcionamento das atividades realizadas neste domínio por “operadores das infraestruturas críticas”.

Reconhecimento facial chega aos multibancos de Macau
Reconhecimento facial chega aos multibancos de Macau
Ver artigo

Há cerca de um ano e meio, o Governo de Macau decidiu investir no reforço legislativo, avança a Lusa. Para além da implementação da lei da cibersegurança, a da utilização e proteção da bandeira, emblema e hino chineses e a de bases da proteção civil, o Executivo tem vindo a apostar fortemente na videovigilância.

A 22 de dezembro entra também em vigor uma revisão da lei da cibersegurança, a qual pode punir com multas ou tempo de prisão a utilização de dispositivos informáticos para simular emissoras de telecomunicações móveis. Caso o objetivo da criação for facilitar a prática de outros crimes, transmitir publicidade proibida ou “disseminar, divulgar informações pornográficas ou atividades de jogo ilícito", a pena pode subir até cinco anos de prisão.

Segundo o Governo macaense, a alteração à Lei 13/2019 prevê ainda a possibilidade de serviços de investigação criminal usarem cópias de dados informáticos alojados em servidores fora da região como prova em processos penais mediante autorização judicial.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.