Kelly Merryman, vice-presidente para a área de conteúdos na Europa, e uma das responsáveis no serviço de streamig pelas compras nesta área, deu a informação quando explicava numa entrevista o processo de seleção de conteúdos.



O Netflix tem vindo a estender o seu serviço à Europa e estreou-se recentemente na Holanda. Na entrevista a responsável explicava como foi definida a grelha de programação para aquele país.



"Na compra de séries olhamos para o que tem sucesso nos sites piratas", confessou a responsável, acrescentando que a aposta em séries como Prison Break, por exemplo, foi definida também com a ajuda deste "indicador".



Recorde-se que o CEO da Netflix, Reed Hasting, também já se tinha referido à pirataria como um instrumento útil para o negócio da empresa, numa opinião que à data foi polémica.



O responsável considerou que a pirataria tem uma função benéfica para o mercado legal de conteúdos digitais, ajudando a criar procura. A Netflix posiciona-se de forma a tirar partido desse apetite criado pelos sites ilegais para os conteúdos digitais, com uma oferta competitiva e intuitiva, explicou ainda o mesmo responsável.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.