De acordo com o serviço de inteligência Supo, o ataque foi cometido por um grupo designado pela sigla "APT31" pela empresa de cibersegurança norte-americana FireEye, que é referência no assunto.

O Parlamento finlandês anunciou em dezembro que havia sido alvo de um ataque numa data que permaneceu confidencial "durante o outono", descrita como uma "grave ameaça à democracia e sociedade finlandesa". Segundo a Supo, esta "operação de ciberespionagem" foi "efetuada por um Estado" e segundo as suas informações, "o grupo APT31 é o responsável pelo ataque.

Segundo o FireEye, o APT31 está focado em "obter informações que podem fornecer benefícios políticos, económicos e militares para o governo chinês e empresas estatais". Acrescentando que "temos a certeza da nossa conclusão, mas infelizmente não podemos comentar sobre a metodologia", afirmou hoje um porta-voz do Supo à agência francesa France-Presse.

O serviço finlandês recusou comentar especificamente as informações visadas pelo ataque, enfatizando que a investigação está ainda em andamento. "Podemos dizer que a operação visava o coração do processo de decisão finlandês e é considerado um assunto muito sério", sublinhou o porta-voz.

Ainda no que diz respeito a ataques cibernéticos com origem na China, de recordar que no início de fevereiro, fontes a que a Reuters teve acesso, deram nota que um grupo de hackers chineses conseguiu explorar uma outra vulnerabilidade no software desenvolvido pela SolarWinds. Em causa está o acesso aos sistemas do National Finance Center (NFC), uma das agências do Departamento da Agricultura dos Estados Unidos (USDA na sigla em inglês).

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.