Da publicidade ao marketing, passando pela usabilidade, as tendências da Web 2.0, social media e estratégias de marca online dominaram transversalmente as apresentações dos vários oradores do Upload Lisboa, a conferência que hoje reuniu na Escola Superior de Comunicação Social cerca de 500 participantes, entusiastas também dos social media, que partilharam o seu interesse no Twitter e no Facebook.

Um dos pontos altos - e muito esperados - foi a apresentação de Damon Crepin-Burr, da Fullsix, com o tema BRA(I)NDING - How to leverage human primal response patterns in your marketing. Levantando questões mas dando respostas, o marketeer perguntou qual é o futuro das redes. E garantiu que este não está no Facebook.

"A natureza humana é que dinamiza a evolução digital", afirmou, traçando um percurso evolutivo que começa com a Internet - ainda nos tempos em que não havia World Wide Web - e que continua pelo mass media, mass interaction até chegar ao ponto em que nos encontramos agora: social networks, onde os utilizadores passam a interagir uns com os outros.

O futuro próximo passa pela Realidade Aumentada, seguindo-se o "Humano melhorado" (Human Enhancement) e a Inteligência Artificial.

O ponto chave para as marcas e os comunicadores é se queremos fazer digital ou ser digital? "O digital não é um media. É onde estamos. Temos que respeitar, entender e abandonar os reflexos dos meios tradicionais com os clientes", sublinhou.

A simplicidade é a chave na evolução das redes, já que todos procuramos obter as melhores soluções com o menor esforço.

Ainda durante a tarde Eurico Nobre, Director Geral da OgilvyOne e Ogilvy Interactive, tinha deixado algumas pistas que vão no mesmo sentido, mas mais focadas na venda propriamente dita.

"O papel do CRM estendeu-se e permite que dados se transformem em bits e bits se transformem em consumidores", defendeu este marketeer, que adianta que a tecnologia serve para trabalhar os dados, torná-los informação e retirar conclusões sobre o que fazer.

A coerência é importante e não basta uma marca dizer que está nas redes sociais, é preciso adaptar os processos à nova realidade. "As marcas têm de ser coerentes a três níveis: aquilo que dizem, aquilo que fazem e como são percebidas", sublinha.

Mas Eurico Nobre não arrisca previsões sobre o futuro. "O Facebook dá-nos uma visão do todo como nunca tivemos. Isto é uma mudança de hábitos. Onde nos vai levar? Não sei"

O TeK SAPO foi media partner do Upload Lisboa e durante o dia colocou diversos posts no Twitter e no Facebook, contribuindo para o Buzz gerado pelos muitos participantes do evento, que se apresentaram "ao serviço" munidos de smartphones, tablets e computadores. As contribuições de todos podem ser recuperadas na Twitter Wall do site do Upload Lisboa.

Durante a conferência o TeK promoveu um passatempo cujo prémio foi um smartphone SAPO a5. O desafio lançado aos participantes era fazer uma foto original com o SAPO.

No Facebook do TeK pode ver todas as imagens e também conhecer o vencedor.

Quem não quiser passar pelo Facebook pode ver aqui também as fotografias do passatempo.

Escrito ao abrigo do Acordo Ortográfico

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.