A Justiça americana aprovou ontem o acordo entre três das maiores editoras de livros do país e o Departamento de Justiça, que visava pôr termo a um processo intentado contra as empresas por fixação artificial de preços no mercado dos ebooks.

A juíza entendeu que os argumentos invocados contra o acordo eram "insuficientes" para negar a sua aprovação e dispensou também qualquer audiência para voltar a discutir esta questão, afirmando

que tal só atrasaria desnecessariamente a entrada em vigor das medidas previstas pelo mesmo, relata ao New York Times.

O acordo, que contava com a assinatura da Hachette Book Group, da Simon & Schuster e da HarperCollins, foi firmado em abril, na sequência de uma investigação às cinco maiores editoras do país e à Apple, acusadas de fixarem entre si preços mais altos para os ebooks, violando as leis da concorrência e prejudicando os consumidores "em dezenas de milhares de euros".

As três editoras que aderiram ao documento concordaram em terminar os seus contratos com a Apple e cessar com as práticas, evitando que o processo seguisse para julgamento. Já a fabricante do iPhone negou todas as acusações e prefere discutir a questão no tribunal, assim como irá acontecer com as outras duas editoras acusadas no processo: Penguin e Macmillan. O julgamento não deverá acontecer antes de junho de 2013, segundo avança a CNET.

O acordo agora aprovado pelo tribunal era amplamente discutido pela indústria, enfrentando a oposição, por exemplo, da Guilda dos Autores, da Associação Americana de Livreiros ou da Barnes & Noble.

Os que contestam a posição do tribunal alegam, sobretudo, que os efeitos para a concorrência serão mais nefastos caso se impeça as editoras de fixarem artificialmente preços para os livros digitais, deixando total margem de manobra aos retalhistas. Tal significaria dar à Amazon - que já domina o mercado - o poder de baixar os preços dos ebooks até onde quiser, sem que outros concorrentes lhe possam fazer frente.

Os acordos ilegais entre as editoras têm como efeito a transferência do poder de determinar os preços dos livros dos retalhistas, que os comercializam, para quem os edita, e tiveram como resultado a fixação de preços entre os 12,99 dólares e os 14,99 dólares, numa manobra que visava também forçar a Amazon a aumentar o preço dos ebooks (que comercializa por 9,99 dólares).

Os opositores da interferência das autoridades nesta matéria afirmam que o acordo vai provocar um retrocesso no mercado, reforçando o domínio da Amazon, que poderá baixar o preço dos ebooks até onde entender e levar a concorrência a fazer o mesmo, o que também constituiria uma ameaça a um mercado concorrencial. A questão é polémica e foi, aliás, discutida a propósito da assinatura do acordo, em abril, por um analista da Gartner, num artigo do qual falámos no TeK.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Joana M. Fernandes

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.