A Apple divulgou ontem que registou perdas financeiras no valor de oito milhões de dólares, ou dois cêntimos por acção, durante o seu primeiro trimestre fiscal que terminou em Dezembro passado, em consequência de um aumento dos custos de desenvolvimento.

Em comparação, no mesmo período mas um ano antes, a companhia registava um lucro de 38 milhões de dólares ou 11 cêntimos por acção. Os recentes resultados negativas reflectem-se numa despesa de 17 milhões de dólares contra ganhos devido a negócios descontinuados, incluindo uma fábrica em Singapura e o encerramento de alguns escritórios de vendas. A empresa também realizou uma despesa de dois milhões de dólares devido à adopção de um novo método contabilístico para determinadas obrigações de arrendamentos.

Excluindo essas despesas excepcionais, a Apple ganhou 11 milhões de dólares ou três cêntimos de dólar por acção, correspondendo às estimativas dos analistas. Contudo, a Apple teve alguns pontos fortes, como é o caso das suas receitas trimestrais que representaram um valor de 1,47 mil milhões de dólares, apenas ligeiramente inferior à estimativa consensual de 1,49 mil milhões de dólares por parte dos analistas.

Esse montante correspondeu a um crescimento de sete por cento em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior - um aumento comparativamente favorável em relação ao desempenho de outras fabricantes de computadores pessoais, exceptuando a Dell, que
continua a crescer fortemente num clima de recessão económica.

Os executivos da Apple afirmaram que as condições de negócio irão
provavelmente continuar difíceis no corrente trimestre, exceptuando um
ligeiro lucro, mantendo-se as receitas no mesmo nível que no trimestre de
Dezembro. Apesar das condições negativas, acrescentaram que a companhia não deverá afastar-se da sua estratégia de investir no desenvolvimento de novo
hardware e software e na abertura de lojas.

As lojas Apple, que são agora no total 51, estão a gerar níveis elevados de
vendas, correspondendo a 148 milhões no trimestre que terminou em Dezembro, uma subida face aos 102 milhões de dólares registados nos três meses anteriores. As perdas geradas pelas lojas desceram de três para um milhão de dólares no final de Dezembro. Para além disso, metade das pessoas que compraram computadores Mac nas lojas da empresa afirmaram que não tinham tido um Mac. Segundo os analistas, isso sugere que a estratégia da companhia de utilizar as lojas para levar os utilizadores a trocarem os seus PCs baseados no Windows está a dar certo.

Contudo, a Apple comercializou o mesmo número de computadores Mac - 743 mil -
que no 1º trimestre fiscal de 2002, embora o preço de venda médio das suas
máquinas tenha sido mais elevado, o que originou o crescimento das receitas.
Os modelos iMac com ecrãs planos, que são mais caros do que os convencionais desktops, foram os que contribuíram mais para esta tendência. Quanto ao leitor portátil de música em formato MP3 iPod, foram comercializadas 216 mil unidades durante o
trimestre. As vendas no estrangeiro representaram 43 por cento do total da
receita da companhia.

Notícias Relacionadas:
2003-01-08 - Apple
lança browser gratuito Safari e alarga linha PowerBook de
portáteis

2002-07-17 - Motorola, Intel e Apple divulgam resultados trimestrais
2002-01-17 - Resultados da Apple, AMD, Compaq e Yahoo! criam optimismo no
mercado

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.