A Microsoft divulgou ontem no seu site um vídeo editado contendo as principais partes do depoimento do seu director executivo Steve Ballmer perante os advogados dos nove Estados norte-americanos que não assinaram um acordo com a gigante do software.



Neste vídeo, Steve Ballmer afirma que a sua empresa seria obrigada a retirar o sistema operativo Windows do mercado, caso lhe fossem impostas pelo tribunal pesadas sanções legais, tal como pretendem os nove Estados litigantes no processo antitrust.



Durante um interrogatório efectuado por um dos advogados representando os Estados, Ballmer argumentou que as penas rígidas propostas por alguns dos Estados iriam criar o pânico entre os consumidores e na indústria informática ao exigirem que a Microsoft oferecesse milhares de versões diferentes do Windows.



O director executivo da companhia afirmou que as sanções propostas pelos Estados teriam um custo de mil milhões de dólares ao mesmo tempo que fariam "erodir" o valor do produto mais popular da Microsoft ao permitir que as empresas concorrentes "clonassem" o sistema operativo.



Durante o depoimento, Ballmer afirmou que "não saberia como cumprir" a proposta de reparação apresentada: "Na realidade, penso que iríamos precisar de retirar o produto Windows do mercado. Essa (...) seria a única forma que eu conheço para cumprir com a proposta, tal como foi avançada pelos Estados litigantes."



Ballmer acrescentou ainda que não tinha conversado com ninguém do Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DoJ) em relação ao acordo. Contudo, na sua opinião, o acordado com o DoJ "vai muito para além das conclusões sobre os problemas a que o Tribunal de Apelo chegou", insistiu aquele responsável. Para este responsável, o referido acordo "vai de encontro a todos os principais assuntos suscitados pelo Tribunal de Apelo".



A Microsoft divulgou os depoimentos de Ballmer e do vice-presidente sénior Jim Allchin em cumprimento com uma ordem do tribunal exigindo que sejam disponibilizadas à comunicação social as transcrições por escrito e as gravações vídeo de cinco entrevistas integrantes do processo judicial antitrust.



Neste sentido, a empresa colocou na sua página sobre notícias legais as transcrições e um vídeo do depoimento de Ballmer, sem que antes tenha removido o material considerado confidencial.



A Microsoft e os nove Estados litigantes têm vindo a atrasar os depoimentos em preparação para uma audiência que terá início a 11 de Março e terá como objectivo determinar quais as reparações adicionais que devem ser aplicadas à empresas. Cada parte vai ter direito a 100 horas para apresentar as suas testemunhas.



Entretanto, o DoJ e os nove outros estados que assinaram o acordo vão encontrar-se com a juíza Kollar-Kotelly nesta quarta-feira, dia 6, para uma audiência que visa determinar se o negócio proposto é do interesse público.


Notícias Relacionadas:

2002-02-28 - Acordo entre Departamento de Justiça e Microsoft vai ser alterado

2002-01-07 - Juíza Kollar-Kotelly rejeita adiamento das novas audiências do caso Microsoft

2002-01-02 - Estados apelam a juíza para não autorizar o adiamento do caso Microsoft

2001-12-24 - Microsoft requer adiamento do processo antritust devido às novas exigências dos Estados

2001-12-10 - Estados norte-americanos querem que Microsoft abra código fonte do Internet Explorer

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.