O sucesso na adopção e utilização das Tecnologias da Informação entre as pequenas e médias empresas nacionais está associado combinações de factores determinantes, que são por um lado, o desenvolvimento de competências na área (recursos humanos e cognitivos) na empresa ou em empresas associadas, e por outro, as perspectivas e atitudes da administração face a essa adopção e utilização dos sistemas de informação, defende Mário Caldeira do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), de Lisboa, numa investigação realizada para uma tese de doutoramento.



O objectivo principal da investigação foi a identificação dos factores inibidores e impulsionadores de uma adopção bem sucedida de sistemas de informação ou tecnologias de informação (SI/TI) nas PMEs da indústria portuguesa, tendo o autor analisado empresas de diferentes indústrias.



Mário caldeira defende que o papel assumido pelos responsáveis de gestão, administração e consultoria das empresas é um factor determinantes, sendo o envolvimento pessoal ou muito próximo dos responsáveis referidos nos processos de implantação de sistemas de informação decisivo



A investigação indica que nas empresas com maior sucesso a pessoa a cargo das TI era simultaneamente o director fabril ou um profissional ligado à área dos sistemas de informação, enquanto nas empresas sem sucesso, a pessoa responsável pelas TI era normalmente o director administrativo ou financeiro.



As relações de tipo mais pessoal e próximo - e menos de tipo contratual - na base da aquisição de TI, e o envolvimento activo dos administradores na selecção, avaliação e negociação de soluções tecnológicas em colaboração com os profissionais qualificados são outro factor que se revelou importante.



Os dados reunidos mostram que a criação de soluções pela empresa, através do desenvolvimento interno de competências, se revelou uma vantagem competitiva. As empresas com mais sucesso na adopção e utilização de tecnologias de informação foram aquelas que desenvolveram competências únicas (software exclusivo). Por outro lado, nos casos menos bem sucedidos, os administradores procuraram soluções de terceiros e não desenvolveram competências internas.



O facto de as empresas de menores dimensões possuírem potencialmente uma flexibilidade e capacidade de decisão rápida – que significam vantagens relativamente às empresas de grandes dimensões - pode também ser importante na adopção e utilização de soluções de TI inovadoras, refere o investigador do ISEG.



Mário Caldeira defende assim que as razões do sucesso alcançado por empresas de recursos limitados prendem-se com as capacidades de inter-relacionamento estabelecido pela administração da empresa, e não com factores de diferenciação tecnológica.



Notícias Relacionadas:

2002-12-04 - Planos europeus para a área do eGovernment aumentam despesas públicas em TI
2002-04-12 - Mercado português de TIs nos 3,9 mil milhões de euros em 2005

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.