A possibilidade de prorrogar a data de entrada em vigor das licenças de telefonia móvel de terceira geração (3G) continua em estudo, tendo hoje o presidente da Anacom confirmado aos jornalistas durante um almoço que já foi entregue ao Governo a proposta de adiamento, noticiou o Negócios.pt.



Ainda sem confirmação oficial, este possível adiamento segue em linha com a situação de outros países europeus e é bem recebida pelos operadores licenciados para a tecnologia UMTS em Portugal (veja Notícias Relacionadas). A possibilidade de se alargar por um ano o prazo no qual os operadores são obrigados a iniciar os serviços comerciais de terceira geração de comunicações móveis já havia sido amplamente noticiada antes.



Álvaro Dâmaso, presidente da Anacom, havia mesmo afirmado durante o Congresso da APDC que este adiamento ainda não era um dado adquirido, mas que "os dados estavam lançados".



De acordo com a notícia do Negócios.pt, Álvaro Dâmaso especificou ainda durante o almoço com jornalistas que pretende que as coimas aos operadores que não cumpram as regras estipuladas pela Anacom sejam aumentadas em 10 vezes e que devem ainda sofrer aumentos graduais por cada dia em que os prazos definidos são ultrapassados.

Notícias Relacionadas:

2002-11-28 - 12º Congresso APDC - Operadores móveis aceitam de bom grado adiamento do UMTS

2002-10-10 - UMTS poderá arrancar no fim do ano face à falta de pedido de adiamento pelos operadores

2001-10-24 - ICP e ministro do Equipamento autorizam adiamento do UMTS por um ano

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.