Com a tomada de posse do novo governo francês intensificaram-se as restrições à utilização dos smartphones Blackberry. Depois de considerados fortemente aditivos, os equipamentos da RIM são agora vistos como potenciais espiões de informação classificada.



As suspeitas devem-se ao facto de embora a Research in Motin ser canadiana os servidores da empresa estarem fisicamente guardados nos Estados Unidos e no Reino Unido. Este facto despontou no governo francês o receio de ver exposta informação confidencial a outros países, adversários de uma chamada "guerra económica", defendeu o deputado Pierre Lasbordes em declarações à Associated Press.



O primeiro alerta foi dado pelo Ministério da Defesa francês que recomendou a proibição do equipamento junto dos altos funcionários do Estado, por suspeitas de espionagem por parte dos serviços secretos americanos. Nas últimas semanas a discussão sobre o assunto tem subido de tom.



Os funcionários denunciaram a situação e mostram-se contra esta proibição, referindo ao Le Monde que a proibição está a ter impactos significativos na produtividade dos serviços, garante um director geral citado pelo diário.
"A administração produz de qualquer forma já demasiadas montanhas de papelada e agora nem sequer podemos trabalhar ao ritmo dos nossos contactos externos", queixa-se um dos denunciantes da situação.



A RIM já negou a possibilidade das comunicações que circulam nos seus equipamentos serem interceptadas, garantindo que todas as comunicações são encriptados, o que torna impossível aceder ao seu conteúdos.



Notícias Relacionadas:

2007-06-18 - NATO quer reforço da segurança dos sistemas de informação críticos

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.