Portugal é acusado de ser um dos países que menos respeita a neutralidade da internet na Europa, devido aos chamados tarifários zero rating, disponibilizados pela MEO, NOS e Vodafone. A situação está na origem de um relatório apresentado à Anacom por um grupo de 13 organizações, que inclui a European Digital Rights, a Access Now ou o Capítulo Português da Internet Society.

De acordo com os signatários,  tais práticas refletem-se “negativamente nos serviços de acesso a internet móvel” disponibilizados aos portugueses.

No documento enviado ao regulador português são apresentadas “evidências legais e económicas de que, segundo os vários critérios das regras europeias, essas ofertas deveriam ser proibidas”, segundo Thomas Lohninger, diretor-executivo da epicenter.works.

Anacom "avisa" operadoras em Portugal que não respeitam neutralidade da internet
Anacom "avisa" operadoras em Portugal que não respeitam neutralidade da internet
Ver artigo

"Entrou em vigor, há dois anos, a legislação para a Neutralidade da Internet, cujo objetivo é o de proteger o direito dos cidadãos europeus a terem uma internet livre e aberta", refere-se na nota enviada às redações. Porém, e apesar de terem sido emitidas várias diretrizes a este respeito pelo Body of European Regulators for Electronic Communications, a “violação da neutralidade da Internet tem estado em crescendo nos últimos tempos, nomeadamente devido às ofertas de zero-rating, nos tarifários de Internet móvel”.

Estas ofertas "tornam a utilização de algumas aplicações mais cara do que outras”. Mais especificamente, tanto a MEO, como a NOS e a Vodafone “oferecem soluções de zero-rating que dão tratamento preferencial a empresas dominantes na internet, como a Google ou o Facebook”.

Ao mesmo tempo, Portugal figura nos últimos lugares da Europa no que respeita ao preço e disponibilidade de volume de tráfego de Internet móvel, acrescenta-se.

Sobre a publicação por parte da Anacom de um "Sentido provável de decisão", em fevereiro último, Eduardo Santos, presidente da Associação D3 - Defesa dos Direitos Digitais, uma das organizações signatária, considera que esta "peca por tardia, e podia ir mais longe, sendo precisamente esse um dos aspetos em que se foca a nossa participação".

Acrescenta ainda que "é incompreensível" como, dois anos depois, Governo e Assembleia da República ainda não alteraram a legislação de forma a permitir à entidade reguladora punir estas violações por parte dos prestadores de serviço. "Até que isso aconteça, todas as violações da neutralidade da internet em Portugal vão continuar a sair impunes, e o nosso país continuará a figurar como referência a nível internacional em violações de neutralidade da rede".

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.