O Android é o sistema operativo mais popular do mundo, mas ao nível das receitas nunca conseguiu estar ao mesmo nível do iOS. O cenário tem mudado de forma radical e o Google Play é cada vez mais rentável para os programadores, de acordo com uma análise de mercado feita pela consultora App Annie.



O destaque vai para as aplicações gratuitas que permitem a aquisição de conteúdos in-app, as chamadas aplicações freemium. Esta categoria representou 98% das receitas conseguidas pela loja do Android em maio de 2014. Isto confirma que além da apetência dos utilizadores para as apps gratuitas, as pessoas estão mais dispostas a gastar dinheiro depois de experimentarem as aplicações do que gastar dinheiro para as adquirirem desde logo.



O crescimento das receitas é inclusive superior ao aumento registado no número de downloads: no último ano as receitas aumentaram 2,5 vezes, enquanto o número de descargas cresceu 1,5 vezes. Isto quer dizer que as aplicações estão cada vez mais rentáveis.



Os EUA, o Brasil e a Rússia são os países que mais aplicações Android descarregam, ficando o Japão com o título de país que mais receitas gera no Google Play. Neste plano de análise destaque para a quarta posição da Alemanha e para o quinto lugar do Reino Unido na lista de nações que mais dinheiro gasta em aplicações e conteúdos in-apps.



Apesar de 60% dos downloads corresponderem a categorias de aplicações que não são jogos, o gaming é a “vaca gorda” do Google Play: os jogos são responsáveis por 90% das receitas da loja do Android.



De acordo com os dados da App Annie, o Google Play tem atualmente 1,5 milhões de aplicações disponíveis, sendo que 500 mil das quais foram acrescentadas à loja apenas nos últimos doze meses.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.