São as últimas escolhas de 2017, mas podem servir para começar 2018 da melhor maneira se, por exemplo, quiser ter um dispositivo de segurança por perto ou simplesmente está preocupado com os exageros alimentares cometidos na época. Só esperamos que não tenha de chamar o médico. Mas se for caso disso também temos uma app para lhe recomendar.

Tem mais apps à escolha na seleção desta semana, nomeadamente uma que oferece prémios em dinheiro real e tem estreia marcada no Android a 1 de janeiro. Pode espreitar as propostas nos parágrafos que se seguem e tenha um excelente 2018!

Knok, knok, chamou um médico ao domicílio?

A Aplicação liga, em tempo real, doentes e médicos para consultas pessoais e personalizadas. Através da plataforma, também pode ter uma consulta em vídeo.

Com o objetivo de melhorar o acesso a cuidados primários de saúde, a Knok Heathcare é uma startup portuense que presta serviços de saúde primária onde e quando os doentes precisarem, através de um sistema de GPS.

Na “Uber para médicos” há profissionais de várias especialidades disponíveis a qualquer hora do dia, sendo que uma visita a casa pode custar entre 49 e 80 euros, dependendo da especialidade, e as consultas em vídeo têm o preço fixo de 20 euros.

Medicina geral e familiar, medicina interna, pediatria e psiquiatria são algumas das opções disponíveis e o pagamento das consultas é feito na própria app, mas caso tenha seguro de saúde, basta introduzir essa informação no seu perfil, sendo possível obter reembolso de até 50% do valor pago. A equipa da Knok trata depois do reembolso.

A aplicação está disponível para qualquer pessoa, mesmo as que não estão registadas e, só depois de chamar o médico é que o doente tem de introduzir alguns dados como email, morada, número de telefone e dados de pagamento.

Lançada a 4 de dezembro de 2015, a app existe para iOS e Android.

Exagerou na consoada? Temos uma dica para si

Findas as extravagâncias gastronómicas cometidas na ceia de Natal, todos queremos perder os quilos a mais que parecem ter vindo para ficar. E, depois do personal trainer de corrida e caminhada, a Runtasty ajuda-o com a alimentação.

A Runtastic é uma aplicação que se concentra na saúde do utilizador e nas várias maneiras de melhorá-la através do exercício, mas para se manter adequadamente saudável e perder peso, o melhor é combinar um programa de exercícios com uma dieta equilibrada.

Por isso, decidiu lançar a Runtasty, uma app direcionada para o público que procura seguir uma alimentação saudável e que lhe traz uma série de receitas que são "rápidas, simples e aprovadas pelo nutricionista”.

A aplicação oferece mais de 40 receitas preparadas por nutricionistas para todos os tipos de dietas: sem glúten, vegan, vegetariana, carne, laticínios, low-carb, entre outras.

Para ajudar na confeção das receitas, Runtasty inclui também vídeos a explicar passo a passo, assim como vídeos adicionais com os melhores truques para tornar todo o processo na cozinha muito mais fácil.

Como é uma aplicação focada na saúde, também vai ter acesso a várias informações detalhadas como, por exemplo, a contagem de calorias e dados sobre carboidratos, gorduras e proteínas. E ainda tem uma opção para salvar as suas receitas favoritas.

A app está disponível quer para iOS, quer para Android.

App desenvolvida por Snowden transforma smartphone em sensor de segurança

Esta não é uma aplicação para instalar no seu smartphone atual. Mas se tem um equipamento antigo pode transformá-lo num guarda fiel para detetar intrusões.

A ideia foi desenvolvida por Edward Snowden em conjunto com a Freedom of the Press Foundation e o Guardian Project e materializa-se numa aplicação para Android que utiliza o sensores dos telefones para tornar o equipamento num verdadeiro "cão de guarda".

A app Haven pode ser instalada num smartphone Android mais antigo e o objetivo é proteger o espaço pessoal de jornalistas de investigação e defensores dos direitos humanos, sem comprometer a sua privacidade. Mas também pode ser usado por qualquer pessoa que queira criar um dispositivo de segurança, para proteger o seu escritório ou a sua casa.

Este é um tema muito caro a Snowden que deixou de utilizar telemóveis para não ser espiado pelas autoridades e que tem feito investigação na forma como os diversos sensores dos terminais móveis podem ser usados para vigiar e monitorizar os seus utilizadores.

A Haven transforma o smartphone num equipamento de segurança que pode ser deixado junto do computador, ou em casa, e os sensores de movimento, som, vibração e detetores de luminosidade podem ser configurados para lançar alertas de entradas indesejadas ou movimentação de equipamentos.

A informação dos sensores é depois combinada com outras tecnologias de segurança, como a Signal e o Tor para aumentar o nível de proteção. Os dados podem ser gravados para visualização posterior.

A versão beta da app está disponível na loja da Google Play para download gratuito, mas vale a pena voltar a avisar para não a instalar no seu smartphone atual, usando antes um dispositivo mais antigo. Este é também um projeto open-source e está disponível no GitHub.

Os utilizadores de iPhone não foram esquecidos, como se refere no próprio site, mas a sugestão é que usem um telemóvel Android de baixo custo para instalar a app e transformarem num "Haven Device", mantendo o iPhone consigo, até porque é muito caro para usar como equipamento de vigilância.

No vídeo, partilhado no site do Haven, Edward Snowden explica a ideia que levou ao desenvolvimento da aplicação e mostra a forma como os sensores são usados nos telemóveis.

E que tal entrar em 2018 a caminhar...muito?

Tem nove quilómetros de montanha para percorrer a pé nos Passadiços do Paiva, construção ao longo da margem do Rio Paiva, inaugurada em 2015. Em 2018, vai ter ainda acesso a 480 metros de piso transparente sobre o rio.

O percurso da obra do arquiteto Nuno Martins Melo, vencedor do Prémio Nacional de Arquitectura em Madeira deste ano, liga as praias fluviais do Areinho e do Espiunca e, de ponta a ponta, são nove quilómetros de caminhada. Mas, como ainda há que voltar, é preciso ter pernas (e fôlego) para um total de 18 quilómetros.

Pelo caminho, vai poder apreciar cascatas, a garganta do Paiva, o mais famoso percurso de águas bravas do país e o património geológico singular do Geoparque de Arouca.

No verão de 2018, e se se sentir muito aventureiro, pode sempre passear pela ponte pedonal completamente transparente, com quase 500 metros de comprimento e com uma altura de 150 metros. A sustentá-la vai ter apenas dois cabos que vão unir as duas margens do Rio Paiva.

Outrora gratuito, o acesso aos Passadiços do Paiva tem o custo simbólico de um euro e, por força dos dois incêndios, em dois anos consecutivos que obrigaram à reconstrução da estrutura, o número de visitantes é condicionado a cerca de 3. 500 pessoas por dia, duas mil controladas através de uma pré-inscrição online e as restantes chegando através dos operadores turísticos.

Se quer saber mais sobre o espaço, pode sempre fazer o download da app, disponível para Android e iOS.

Pegue no smartphone e alimente uma criança com fome. Só custa 40 cêntimos

A (boa) ideia é do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas e está transformada numa app que já mereceu a distinção da equipa da Google Play.

O objetivo é simples: acabar com a fome em todo o mundo. O desafio deixado pelas nações unidas é que faça a sua parte doando 40 cêntimos de euro, o suficiente para manter uma criança alimentada por um dia.

Os fundos reunidos através destas “refeições partilhadas” vão ajudar crianças necessitadas a terem acesso a alimentação.

Dentro da aplicação pode escolher entre vários países aquele que pretende ajudar, deslizando o dedo para a esquerda na parte inferior do ecrã inicial. Através da app é mostrado aos utilizadores os locais e o número de ajudas.

Além do donativo direto, a app permite aos utilizadores convidarem familiares, amigos e pessoas próximas para partilharem uma refeição. Há também a possibilidade de criar equipas que se podem mobilizar para bater determinadas metas de doações e financiar projetos de alimentação para jovens.

A ShareTheMeal está disponível para Android e iOS.

PuzzlAR: World Tour - a realidade aumentada com mão portuguesa nos tops da categoria

O jogo da Bica Studios estreou o PuzzlAR: World Tour já tinha estado em destaque na loja de aplicações da Apple por explorar as novidades da atualização do iOS em setembro e agora volta a ser destacada num prémio.

A app PuzzlAR: World Tour é um jogo de puzzles em realidade aumentada e foi desenvolvido com a tecnologia ARKit da Apple. A gigante tecnológica já tinha decidido destacar a aplicação na sua lista de "Amazing AR Games”, a par da recente atualização do iOS e da chegada às lojas dos novos iPhone 8 e iPhone 8 Plus, e agora o titulo do estúdio português foi destacado pela Next Reality como Melhor Jogo de Realidade Aumentada de 2017 .

Ao contrário dos puzzles tradicionais com peças achatadas, o PuzzlAR: World Tour permite que os jogadores interajam com peças virtuais sobre o mundo real através de seus iPhone ou iPad.

O objetivo é construir monumentos famosos em cenários vibrantes, ricos em detalhes e animações, que surgem literalmente à frente do utilizador. Os monumentos disponíveis para montar são a Cidade Proibida, a Estátua da Liberdade, o Taj Mahal e a Catedral de São Basílio. Depois de construídos podem ser explorados, e escalados em grande dimensões.

Este pode ser um bom desafio para 2017, começando as viagens a partir do iPad ou do iPhone. O vídeo abaixo mostra a montagem do Taj Mahal.

O PuzzlAR: World Tour está disponível na App Store por 2,29€ e é compatível com todos os iPads e iPhones a partir do iPhone 6S. A empresa está a desenvolver planos para uma versão Android para 2018.

HQ Trivia: app que oferece prémios em dinheiro real estreia-se no Android a 1 de janeiro

O jogo de cultura geral é organizado 12 vezes por semana em direto para todo o mundo e pode ser jogado através desta app que já chegou a atribuir um prémio final de 10 mil dólares.

É uma das aplicações mais mediáticas deste ano e está prestes a chegar aos equipamentos Android. A HQ Trivia, que  consiste num jogo de cultura geral onde são dinamizadas sessões de jogo em direito para todo o mundo, vai estrear-se na Play Store a 1 de janeiro de 2018.

O grande atrativo deste jogo é, no entanto, os seus prémios em dinheiro, que são atribuídos aos vencedores de cada ronda. Note que os jogos são organizados pela própria app, em simultâneo para todos os utilizadores, sendo que existem duas sessões diárias durante os dias úteis e uma aos fins de semana. Assim que o jogo começa, os jogadores são desafiados a responder a uma série de questões, sendo eliminados à primeira resposta errada. Cada pergunta tem de ser respondida em apenas 10 segundos. Se conseguir acertar em todas as respostas, tem direito a uma fatia do pote final, que é dividido entre todos os vencedores. O valor dos prémios pode variar, sendo que o de 1.000 dólares é o mais comum, havendo, contudo, exemplos de rondas em que foram atribuídos prémios de 10 mil dólares - o dinheiro pode ser transferido para a sua conta através de PayPal.

A app foi criada por Rus Yusupov e Colin Kroll. Os dois co-fundadores do Vine criaram uma empresa chamada Intermedia Labs após terem abandonado a popular aplicação de vlogs e tentaram recuperar lugares de destaque no segmento das apps móveis com outras propostas menos bem sucedidas, como foi o caso da Hype e da Bounce. A HQ Trivia não repetiu a história destas duas últimas propostas e tem figurado nos tops da App Store desde o seu lançamento, uma vez que cada jogo regista uma média de utilizadores online na ordem das centenas de milhar.

O HQ Trivia é gratuito, mas enquanto a app não chega aos equipamentos Android, os utilizadores deste sistema operativo podem já inscrever-se para receberem uma notificação assim que o download estiver disponível.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.