O dispositivo é composto por biochips de quartzo descartáveis, que têm como base ondas acústicas de superfície (SAW – surface acoustic wave) para a detecção do vírus HIV,  por uma pequena caixa para controlar e ler o sinal e por um smartphone ou computador portátil para analisar, mostrar e transmitir os resultados.

Desenvolvida por investigadores da Universidade de Surrey, no Reino Unido, a tecnologia explora os componentes microeletrónicos  encontrados em cada smartphone, que são assim transformados em biochips que podem detetar diretamente biomarcadores de doenças em fluídos corporais, como o sangue.

Esta tecnologia poderá revolucionar o diagnóstico do vírus HIV que já infectou cerca de 78 milhões de pessoas em todo o mundo, resultando em mais de 39 milhões de mortes.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.