Os dois novos modelos da linha Mate, o Mate 30 e Mate 30 Pro, só deverá estar à venda mais no final do ano, mas a data não foi mencionada na apresentação de Richard Yu, o que já era esperado devido ao bloqueio comercial que a empresa enfrenta nos Estados Unidos. O SAPO TEK sabe que até ao fim do ano os smartphones chegam a 11 países, 10 na Europa e mais à Austrália.

As especificações são impressionantes, com um sistema de câmaras mais avançado, com quatro câmaras integrada, inclui a SuperSensing Cine Camera,dedicada ao vídeo e SuperCharge, mas o mais esperado era o sistema operativo e a forma como a empresa iria contornar o impedimento de utilização de serviços Google.

Em direto: Mate 30 e Mate 30 Pro são os primeiros smartphones Huawei depois de bloqueio dos EUA
Em direto: Mate 30 e Mate 30 Pro são os primeiros smartphones Huawei depois de bloqueio dos EUA
Ver artigo

Richard Yu fez a apresentação habitual das muitas funcionalidades, do design e da performance, e introduziu também as novidades do EMUI10, baseado no Android 10 Open source, com um display always on, um dark mode mais alargado e novos sensores de gestos.

Quanto aos preços do Mate 30, começa nos 799 euros, para a versão de 8 GB e 128 GB passando para  1.099 euros na versão Mate 30 Pro e 1.199 euros na versão 5G. O Porsch Edition vai custar 2.095 euros.

E o sistema operativo dos Mate 30 e Mate 30 Pro?

A grande questão que não foi respondida de forma clara na apresentação é como a empresa vai fazer com os serviços Google Mobile Services, que não podem ser utilizados por causa do bloqueio comercial à Huawei que impede as empresas norte americanas de fornecer produtos e serviços à tecnológica chinesa.

O responsável pela área de consumo da Huawei falou bastante dos Huawei Mobile Services, e do investimento que tem sido feito no ecossistema, que ultrapassa os mil milhões de euros, mas nunca disse claramente que essa é a opção da empresa para substituir os Google Mobile Services.

Huawei vs EUA: Crónica de uma guerra longa com impactos que ainda têm de ser medidos
Huawei vs EUA: Crónica de uma guerra longa com impactos que ainda têm de ser medidos
Ver artigo

Já depois do fim da apresentação, fonte da Huwaei explicou ao SAPO TEK que está instalada nos smartphones a versão Open Source do Android 10, com o EMUI 10, mas não os serviços e a loja Google Play, nem as apps Google.

Os consumidores vão ter acesso ao Huawei Mobile Services, com "milhares de aplicações" e as principais apps, do Facebook, Twitter e WhatsApp, por exemplo, mas não há aplicações da Google, como o Gmail e os mapas, ou o Photos. Essas aplicações podem ser instaladas à posteriori através de APKs ou acedidas via browser.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.