O aviso foi dado pela LastPass na semana passada, com a empresa a alertar para a presença da app fraudulenta na loja digital da Apple. Segundo a empresa, esta versão usa o mesmo nome da solução legítima de gestão de passwords, mas há um conjunto de diferenças importantes, como pode ver nas imagens que se seguem.

Clique nas imagens para ver com mais detalhe 

Além de contar com um logotipo diferente, a versão fraudulenta apresenta um developer que não é a LogMein, a dona da LastPass. A empresa aponta também erros nas imagens da app fraudulenta, que tenta copiar a imagem e interface original.

De acordo com informação avançada pelo website TechCrunch, baseados em dados da Appfigures, a versão falsa do gestor de passwords terá sido lançada na App Store a 21 de janeiro.

Embora tenha passado relativamente “despercebida” na loja da Apple, algumas reviews deixadas por utilizadores já alertavam para o facto de não ser a versão legítima. A app fraudulenta acabou por ser removida da App Store um dia após a publicação do alerta pela LastPass.

Segundo Christofer Hoff, Chief Secure Technology Officer da LastPass, a empresa entrou em contacto com a Apple, cujos representantes confirmaram a recepção do alerta, acrescentando que a gigante de Cupertino estava a reunir esforços para remover a app em questão.

De acordo com o responsável, a empresa está também a trabalhar com a Apple para perceber como é que esta app passou pelos mecanismos de segurança da App Store.

O caso surge numa altura em que, na Europa, a Apple terá de fazer mudanças à sua loja digital, assim como ao iOS e ao browser Safari, para cumprir as obrigações do Regulamento dos Mercados Digitais (DMA, na sigla em inglês).

Apple tem de mudar regras na Europa para loja de aplicações. Quais as alterações e porque estão a gerar polémica?
Apple tem de mudar regras na Europa para loja de aplicações. Quais as alterações e porque estão a gerar polémica?
Ver artigo

Recorde-se que a tecnológica tem-se posicionado contra as obrigações do regulamento, argumentando, por exemplo, que as regras, que exigem, por exemplo, que permita a possibilidade de sideloading no iPhone, podem pôr em causa a segurança dos iPhones e do seu ecossistema.

A pressão da Comissão Europeia levou-a a “ceder”, com a empresa a anunciar mudanças que geraram polémica, além de descontentamento entre developers.

Em linha com a posição que tem vindo a defender, a Apple afirmou que as alterações que foi obrigada a implementar não estão isentas de riscos. Na visão da empresa, as novas opções de processamento de pagamento e de download de aplicações no iOS podem abrir a porta a malware e esquemas fraudulentos, assim como à divulgação de conteúdo ilícito ou prejudicial, entre outras ameaças à privacidade e segurança.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.