A primeira impressora 3D completamente desenvolvida e produzida em Portugal foi apresentada ontem oficialmente ao grande público. A Beethefirst, da empresa Beeverycreative, tem tido uma boa receção apesar de o projeto ainda estar na fase inicial.

Na perspetiva dos fundadores da empresa de Aveiro a impressora 3D desenvolvida dá resposta a muitos problemas apresentados por equipamentos do mesmo segmento: muito pesadas, não portáteis, com design pouco apelativo e barulhentas.

A partir destes pontos negativos Francisco Mendes e Jorge Pinto propuseram-se a criar uma impressora 3D que fosse simples de usar, de baixo peso e dimensões reduzidas, que fosse portátil e que fosse silenciosa. O objetivo era criar uma equipamento de click and print, onde a criação de um objeto 3D está à distância de um clique.

A portabilidade também foi outro dos factores que os criadores tiveram mais em conta, pois cada utilizador tanto pode ter a Beethefirst na secretária de casa como na secretária de escritório. Como as vendas da impressora estão a ser feitas online através do site da empresa, os fundadores acabaram por admitir numa apresentação em Lisboa que ainda não estão muito conscientes do perfil do utilizador que a máquina está a atrair.

[caption]Beethefirst[/caption]

Mas a Beethefirst é para todos os utilizadores, incluindo pessoas não técnicas. "É uma impressora que é para partilhar e por isso é que a criamos desta forma", revelou Francisco Mendes.

Francisco Mendes e Jorge Pinto revelaram que em breve a página online da empresa vai ganhar suporte para várias línguas, o que reflete a aposta que está a ser feita na internacionalização da impressora 3D.

Os dois jovens empreendedores já tinham experiência na área das impressões 3D depois de terem desenvolvido uma placa controladora para este tipo de equipamentos que foi reconhecida como sendo de qualidade superior por vários clientes.

[caption]Beethefirst[/caption]

A evolução do projeto foi feita no início através de investimento de capital próprio, sendo que agora a maior projeção que a empresa está a conseguir está a ser alavancada por investimento de capital privado. A Beeverycreative é agora constituída por uma equipa de 27 pessoas.

O que se pode construir com a Beethefirst?

O limite é a criatividade de cada um.. e as dimensões da mesa de impressão. Os utilizadores podem criar peças que tenham até 19 centímetros de comprimento, 13 de largura e 12 de altura.

Para já a impressora 3D só usa uma cor de cada vez, mas Francisco Pinto não descarta a hipótese de no futuro ter capacidade para imprimir no mesmo objeto várias cores, sem ser necessário um processo de montagem posterior.

O tempo de produção varia de objeto para objeto, tanto na sua dimensão, como no seu preenchimento. Se o utilizador optar por imprimir em baixa resolução também consegue resultados mais rápidos. Estes mesmos factores também são os que condicionam a quantidade de objetos que são possíveis criar uma única bobine de filamento que tem 300 gramas.

O TeK deixa o exemplo de algumas das criações que são possíveis conseguir com uma impressora 3D.

[caption]Beethefirst[/caption]

[caption]Beethefirst[/caption]

[caption]Beethefirst[/caption]

[caption]Beethefirst[/caption]

A Beetherfirst custa 2.220 euros e cada bobine de filamento PLA é vendida por 16 euros.

Rui da Rocha Ferreira


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.