Nos últimos dias a atividade solar tem sido intensa, produzindo uma série de explosões originadas pela mancha solar AR1515, que a NASA saudou como fogo de artifício a celebrar o Dia da Independência, assinalado a 4 de Julho nos Estados Unidos.

Mas ontem o Solar Dynamics Observatory sinalizou uma erupção solar de classe X1.1, uma das mais potentes, registando o flash ultravioleta produzido durante o evento, e que é mostrado na imagem abaixo



[caption][/caption]

A explosão resultou numa emissão de massa de plasma e eletromagnetismos, conhecida como Coronal mass ejections (CMEs), que tudo indica não vai atingir a Terra, podendo no entanto dar origem a fenómenos de eletromagnetismo que podem ser vistos amanhã, dia 8 de Julho, e segunda feira.

Se esta emissão chegasse ao planeta Terra poderia causar interferências nos equipamentos eletrónicos e satélites, como já aconteceu este ano por diversas vezes, sendo uma das mais intensas dos últimos anos registada em janeiro de 2012.

Ao contrário da explosão assinalada ontem, a tempestade solar de 4 de Julho projetou massa na direção da terra, como mostra a imagem abaixo.



[caption][/caption]

Os analistas do Goddard Space Weather Lab, que prepararam a projeção, indicam que a chegada à Terra desta massa de plasma e eletromagnetismo estava prevista para a madrugada de hoje.


Veja ainda as imagens da NASA com a explosão solar registada a 4 de Julho, captadas em diferentes cumprimentos de onda.




[caption][/caption]


Veja ainda o vídeo de registo da explosão solar de ontem.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Fátima Caçador

Nota da Redação: Foi feita uma correção no terceiro parágrafo.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.