Tal como o 4K, o 8k chegará a todos os dispositivos que conhecemos como sendo capazes de reproduzir, apresentar, captar e processar conteúdos em vídeo. Câmaras, smartphones, portáteis, monitores, projetores, televisores. Contudo, é no “universo” destes últimos que mais ficamos ansiosos por ver o 8K florescer ao ponto de podermos ter uma TV com esta resolução em casa, certo?

É por isso que as informações que colocamos neste artigo sobre o 8K dizem respeito apenas a televisores e aos ecrãs que neles encontramos instalados. Estes equipamentos “vivem” muito desse componente – de ecrãs com a mais elevada resolução do mercado –, mas não esqueçamos que é todo um conjunto de hardware que permite que este patamar de resolução seja reproduzido.

O processador e a memória RAM do televisor. O sistema de som e as funcionalidades que determinam os níveis de contraste, cor e nitidez. A taxa de atualização do ecrã e a tecnologia que serve de base ao mesmo, na maior parte das vezes o QLED (pelo menos no caso da Samsung, que parece ser a marca que mais aposta comercialmente nesta resolução no momento).

São vários os fatores que, quando conjugados, conseguem fazer com que possamos ter conteúdos 8K a serem reproduzidos no ecrã da TV da sala. E espere encontrar painéis com dimensões efetivamente grandes, visto que este patamar de resolução “aponta” para diagonais acima de 65 polegadas, pelo menos.

Até porque os números não mentem: estamos a falar do maior número de linhas horizontais e verticais cruzadas no ecrã em simultâneo e do maior número de pixéis ao mesmo tempo no ecrã. E ainda de um nível de processamento que faz com que seja possível termos processos de upscaling em tempo real e aplicados a conteúdos que estão a ser transmitidos em direto, por exemplo.

A título de curiosidade suplementar face à galeria acima, sabia que a estação de TV nacional do Japão, a NHK, tem sido um dos maiores “difusores” do 8K em geral? Desde 1995 que desenvolvem estudos no sentido de fazer evoluir a tecnologia associada.

E estima-se que até hoje tenha já gasto mais de mil milhões de dólares neste projeto, que dá pelo nome de código Super Hi-Vision. Apontam para que as emissões de todos os canais de TV NHK passem a ser em 8K até 2032.

É o patamar mais elevado de imagem que pode ter na sua sala de estar, apesar de os preços destes televisores estarem lá no alto, tal como vimos com o recente lançamento em Portugal da linha Q900 da Samsung, com valores entre 4.999 e 14.999 euros. Melhor? Só quando chegar o 16K…

Entretanto, tome conhecimento dos cinco factos/curiosidades que apresentamos na galeria acima. E fique atento ao SAPO TeK: além de encontrar por aqui tudo o que foi mostrado recentemente sobre televisores 4K – alguns modelos abaixo de 500 euros e o que o CES 2019 trouxe quanto a TVs 4K e 8K… –, estamos também a preparar um artigo com todos os televisores 8K que pode efetivamente comprar nas lojas portuguesas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.