Em linha com as informações divulgadas pela NASA e pela ESA no início do mês, um estudo da Carbon Brief demonstra que as ações tomadas pela China para mitigar a propagação do Coronavírus (COVID-19) reduziram em 25% as emissões de CO2 do país. Os especialistas afirmam que, à medida que cada vez mais países fecham fábricas, cancelam eventos, reduzem o número de voos efetuados e implementam medidas de quarentena obrigatória, poderá registar-se uma redução acentuada das emissões carbónicas, a primeira desde a crise financeira mundial de 2008.

Além da diminuição de Dióxido de Nitrogénio verificada na China desde o final de dezembro de 2019, os analistas indicam que, o consumo de carvão nas centrais elétricas do país diminuiu 36%, sendo que a capacidade das refinarias de petróleo registou um decréscimo de 34%. Os indicadores refletem-se assim numa melhoria da qualidade do ar no país.

Timelapse da produção fabril na China entre janeiro e fevereiro Timelapse da produção fabril na China entre janeiro e fevereiro
créditos: Planet Labs

De acordo com François Gemenne, diretor do The Hugo Observatory, em França, a tomada de medidas de prevenção e mitigação a nível mundial poderão ser mais benéficas para a redução de mortes devido à poluição atmosférica do que pelo COVID-19. Em entrevista à Forbes, o responsável aponta que, anualmente, mais de 1 milhão de pessoas morre na China devido aos elevados níveis de elementos poluentes no ar. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que, globalmente, o número de mortos ronde os 7 milhões.

Imagens de satélite mostram redução da poluição na China devido ao Coronavírus
Imagens de satélite mostram redução da poluição na China devido ao Coronavírus
Ver artigo

Os efeitos aparentemente "positivos" do COVID-19 para o meio ambiente não devem ser sobrestimados, afirmou António Guterres numa recente apresentação na sede da ONU. Segundo informações avançadas pela Associated Press, o secretário-geral da ONU lembrou que enquanto o novo coronavírus é temporário, as alterações climáticas vão manter-se por décadas, requerendo uma ação constante.

Na China, em especial, a redução das elevadas emissões de CO2 poderá ser de curta duração caso as fábricas, ao voltarem a abrir, aumentem exponencialmente a produção para compensar as perdas. O governo de Xi Jinping deu a conhecer que disponibilizará um pacote de estímulo à economia chinesa para combater os efeitos provocados pelo COVID-19, o qual, em última análise, poderá fazer regredir o “progresso” ambiental dos últimos meses.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.