Os resultados preliminares de um inquérito feito pelo Centro de Economia da Educação da Universidade Nova de Lisboa revelam que pelo menos 23% dos estudantes portugueses não têm acesso a um computador com Internet em casa. Existe uma diferença entre os resultados obtidos e os dados oficiais do Instituto Nacional de Estatística (INE) que indicam que apenas 5,5% dos alunos até aos 15 anos não têm acesso a um PC ligado à Internet.

Os investigadores elucidam que as discrepâncias encontradas poderão ser justificadas com o facto de que as informações de novembro de 2019 do INE apenas indicam a existência de algum computador com Internet no agregado familiar de cada estudante. Pode haver situações em que o computador da família já está a ser utilizado pelos pais por motivos de teletrabalho ou então em que existem múltiplos alunos num agregado familiar e apenas um PC.

Alunos que não têm acesso a computador com Internet
créditos: Centro de Economia da Educação da Universidade Nova de Lisboa

Ao Observador, a investigadora Ana Balcão Reis sublinhou que há diferenças significativas entre escolas públicas e privadas, sendo a falta de acesso a computadores com Internet em casa mais notória no primeiro caso. Mas, para já, a equipa por trás do estudo indica que ainda é necessário aprofundar a investigação para ter uma total noção das disparidades em todo o país.

O inquérito realizado junto de professores do ensino básico e secundário, de escolas públicas e privadas dá a conhecer que tipo de soluções de ensino à distância que têm sido adotadas no contexto da pandemia de COVID-19. Os resultados revelam que apenas um terço dos professores chegam a fazer aulas por videoconferência com os estudantes. A vasta maioria dos docentes tem optado por enviar materiais complementares, como fichas de estudo, aos alunos.

Estratégias de ensino à distância usadas pelos docentes
créditos: Centro de Economia da Educação da Universidade Nova de Lisboa

Os recursos de ensino à distância disponibilizados pela Direção Geral de Educação são apenas utilizados por cerca de 23% dos professores. Embora a vasta maioria dos professores indiquem que recorrem aos trabalhos casa para proceder à avaliação dos alunos, o estudo revela que 19% dos docentes afirmam que não estão a recolher elementos de avaliação.

Recorde-se que, nas linhas da estratégia definida para as aulas do terceiro período ficou prometido um "acesso universal" que permita ultrapassar barreiras e diferenças de acesso a equipamentos entre os vários graus de ensino e nas famílias. No entanto, o Ministro da Educação lembra que não há soluções imediatas e que, apesar dos constrangimentos, está a ser feita uma adaptação gradual.

Computadores para todos os alunos? "Não há soluções imediatas" diz Ministro da Educação
Computadores para todos os alunos? "Não há soluções imediatas" diz Ministro da Educação
Ver artigo

A estratégia definida passa por combinar os meios de ensino disponíveis, com as aulas através da TV com o uso de plataformas online. O Ministério tem vindo a preparar uma série de documentação que vai chegar às escolas, de forma a permitir que os professores preparem as aulas e acompanhem as matérias que vão ser lecionadas através da televisão.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.