O Diário de Notícias, que ontem avançava a notícia de que dois elementos da Polícia Judiciária eram suspeitos de terem alegadamente sabotado a plataforma judiciária Citius, escreve hoje que afinal os elementos estão a ser investigados por ocultação de informação.



Os dois técnicos já foram entretanto afastados da comissão de serviço que mantém o Citius, estanto agora a serem investigados pelo gabinete de cibercrime da Procuradoria-Geral da República. A demissão terá acontecido ontem, 29 de outubro.



Já o jornal Público adianta que o ex-diretor da rede informática da Justiça no Instituto de Gestão Financeira e dos Equipamentos da Justiça (IGFEJ) é um dos suspeitos visados no relatório que fala da alegada sabotagem.



Esse relatório, escreve o diário, “conterá indícios de que chefias intermédias terão omitido informações importantes na preparação do sistema para a reforma judiciária”.



Fonte da Polícia Judiciária terá adiantado ainda que houve incompetência na liderança da rede informática, mas que a presidência do IGFEJ nunca recebeu toda a informação relativa aos problemas do Citius.



O mau funcionamento da plataforma levou consecutivamente ao mau funcionamento dos tribunais que durante mais de 40 dias estiveram “paralisados”.


Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.