O crescimento do Linux no desktop estacionou. Os dados mais recentes dão ao Linux um por cento de quota de mercado, "o que é quase nada", referiu Paulo Trezentos, director técnico do Caixa Mágica, durante a sua apresentação, esta manhã, no Codebits2010.

"Além disso, muitos utilizadores têm vindo a mudar para Mac, e ninguém faz o inverso. Terá o Linux morrido para o desktop?".

Paralelamente, o software open source ganha pontos no mercado móvel, muito à custa do Android, o sistema operativo desenvolvido sob a alçada da Google, ao qual tudo parece correr pelo melhor.

Há cada vez maior número de terminais disponíveis - como é o caso do recentemente apresentado a5, do SAPO - e os dados fornecidos pelas consultoras são optimistas. Relativa a Novembro, a última análise da Gartner indica que o Android teria, na altura, uma quota de mercado de 25,5 por cento, ocupando a segunda posição do ranking, liderado pelo Symbian (36,6%). O terceiro lugar é atribuído ao iOS, com 16,7 por cento.

Em 2014, o Symbian ainda lidera, segundo as previsões da mesma consultora, mas a diferença face ao rival Android será mínima, comprovando a ascensão rápida do sistema operativo.

Isto tudo quer dizer que o Linux morreu mesmo para o desktop e só sobreviverá no móvel? Não necessariamente, como explicou Paulo Trezentos ao Tek.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.