A Adyta é uma empresa spin-off da Universidade do Porto, especialista em cibersegurança e comunicações seguras. Os investigadores submeteram um relatório a descrever um bug no sistema de atualizações da Galaxy Apps Store, que segundo foi descrito, tornava possível a execução de código não autorizado, através da interceção dos pedidos de atualização da loja de aplicações da marca. Nesse sentido, os hackers poderiam ter acesso ao sistema e interferir com os dispositivos.

O bug foi submetido no âmbito do programa internacional da Samsung designado por “Samsung Mobile Security Rewards Program”, que tem como objetivo mitigar possíveis vulnerabilidades de segurança nos dispositivos móveis. Sempre que os relatórios com bugs sejam considerados elegíveis para beneficiar do programa, a fabricante recompensa os autores da análise com um prémio monetário.

No caso do relatório da Adyta, o bug foi reconhecido pela fabricante coreana, levando-a a proceder à respetiva correção do problema. Mais que o prémio monetário, a empresa destaca que “como parceiros locais da Samsung na área da cibersegurança, é com grande satisfação que atingimos relevância para a marca a uma escala global”, afirmou Carlos Carvalho, CEO da Adyta. “A nível local, temos vindo a trabalhar em conjunto com a Samsung nos testes à plataforma Knox, que recentemente recebeu o primeiro certificado de segurança atribuído pelo Gabinete Nacional de Segurança”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.