A inteligência artificial é boa parte do presente da tecnologia e parte ainda maior do seu futuro. A ideia pode até não ser transversal a todos os profissionais do sector, mas se a postura da Microsoft quanto ao assunto tivesse de ser definida em poucas palavras, esta seria certamente uma das frases a ponderar.

Com várias apostas no segmento, que se contam já entre vários produtos materializados para o consumidor final, a tecnológica de Redmond deu agora a conhecer o que se segue: democratização.

Num comunicado publicado esta semana, a empresa faz um paralelismo que explica a necessidade civilizacional deste processo: "Consideremos o início da era moderna da informação. Com a chegada da imprensa no século XV, assistimos a uma explosão de informação - a primeira vaga de democratização que tornou possível aos humanos de todo o lado começar a aprender". Desde aí, a Microsoft acredita que apenas o tempo tem constrangido as nossas capacidades e que é na inteligência artificial que reside a solução.

Para a tecnológica a IA não é apenas um sistema que serve para fazer demonstrações de capacidade em jogos de xadrez, mas uma forma de ajudar o Homem a alcançar mais do que as constantes e as variáveis naturais lhe deixam. E através da absorção e do processamento sistemático de informação, a Microsoft quer estimular a adopção de mecanismos de IA com a massificação das suas ferramentas.

Doravante, pode esperar que todas as aplicações da marca tenham um "quê" de inteligência. Funcionalidades de intuição e aprendizagem constante que o podem ajudar a completar tarefas ou a lembrar-se de pormenores que o cérebro esqueceu.

Aliás, é sinteticamente assim que a empresa vê o amanhã. Uma sociedade em que "a inteligência artificial muda fundamentalmente a forma como interagimos com o ambiente computacional".

Mas com a ideia de democratização bem presente, a tecnológica anuncia ainda que as suas tecnologias de capacidade cognitiva não serão restritas ao seu domínio intelectual, mas, em vez disso, abertas a qualquer programador. No futuro, outra ajuda preciosa: o "mais poderoso supercomputador de inteligência artificial" que será disponibilizado a todos através da cloud.

[caption][/caption]

Até à data, a Microsoft considera que a sua experiência no ramo tem sido positiva. Com pouco mais de dois anos de vida, a Cortana já deu resposta a mais de 12 mil milhões de perguntas formuladas por utilizadores e acompanha diariamente cerca de 113 milhões de utilizadores.

Mas a inteligência vai ser aplicada a outro software. Para destacar a ideia de que a IA não vem apenas em forma de assistentes virtuais, a empresa dá outros exemplos de aplicações que têm e estão a ganhar mais componentes de capacidade cognitiva como a Microsoft Pix, a MilelQ, a SwiftKey ou o próprio Office.

Para a comunidade de "makers", há ainda novas ferramentas que já marcam presença em sistemas de outras indústrias; como a Interface de Programação de Aplicações (API) da Cortana que já é utilizada na saúde, na agricultura ou no sector automóvel; ou o Bot Framework, uma ferramenta que permite aos programadores desenvolver inteligência artificial nas suas próprias apps.

Há ainda uma cloud à disposição de todos, a Azure. "A mais poderosa, a mais inteligente e a mais flexível", nas palavras da empresa. Na manga, há componentes programáveis (FPGA) em adição. Várias, que, segundo escreve em comunicado, serão suficientes para traduzir as 1.440 páginas da obra Guerra e Paz de russo para inglês em apenas...dois segundos e meio. Para o supercomputador em desenvolvimento, bastaria um décimo de segundo para traduzir, nas mesmas línguas...toda a Wikipedia.

[caption][/caption]

É isto que a Microsoft quer dar a toda a gente. No entanto, deixa um aviso a quem deseja deitar as mãos a estas tecnologias. É importante que os criadores de novas ferramentas tomem boas decisões, que se foquem sobretudo no "benefício humano, na transparência e na responsabilidade".

"Hoje, estamos apenas a arranhar a superfície daquilo que a inteligência artificial pode ajudar-nos a conquistar. Mas, no fim, acreditamos que os humanos e as máquinas vão trabalhar em conjunto para resolver os maiores problemas da sociedade, para criar experiências mágicas capazes de mudar o mundo.", pode ler-se no comunicado.
Em nome do progresso e como forma de moldar o tempo às nossas limitações, a Microsoft quer dar inteligência artificial a todos. Se precisava de mais algum sinal de que as IA chegaram para ficar, aqui o tem: a era de democratização desta tecnologia começou para a Microsoft.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.