Com a colonização de Marte no horizonte das empresas do sector espacial, é uma questão de tempo até que os primeiros humanos partam a caminho do Planeta Vermelho. Os riscos envolvidos serão muitos e os especialistas que estão a estudar a primeira expedição acreditam que os astronautas poderão ser expostos a uma quantidade excessiva de radiação. Em consequência, este contacto vai aumentar exponencialmente os riscos de os astronautas desenvolverem cancro e outras doenças graves.

Conheça as casas onde poderão viver os primeiros habitantes terrestres em Marte
Conheça as casas onde poderão viver os primeiros habitantes terrestres em Marte
Ver artigo

No entanto, de acordo com os mais recentes dados recolhidos pela sonda ExoMars, os astronautas "só" vão receber 60% da dose total de radiação espacial recomendada por carreira. Inicialmente, receou-se que este valor pudesse ultrapassar os 100%, dado que a viagem, de ida e volta, deverá demorar mais de um ano a completar.

Note que em solo marciano, os expedicionários terão de utilizar proteção adicional para impedir qualquer tipo de exposição aos raios cósmicos, uma vez que o planeta não conta com uma atmosfera densa nem com um campo magnético semelhante ao terrestre.

Até lá, agências e empresas espaciais deverão dedicar esforços ao desenvolvimento de novas tecnologias que ofereçam proteção contra radiação cósmica. A NASA, por exemplo, já tem planos neste segmento, com os primeiros testes a um novo colete anti radiação a começarem ainda este ano a bordo da nave espacial Orion.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.