Uma equipa de investigadores da Universidade de Coimbra está a apostar na realidade virtual para ajudar crianças com autismo, criando ambientes virtuais dinâmicos que estimulem o seu desenvolvimento social.

A plataforma tecnológica é composta por um jogo de computador, um capacete de realidade aumentada ou óculos 3D e sensores EEG, que medem a atividade cerebral. O comportamento das crianças durante o jogo é registado e os dados enviados para um módulo online, descreve a UC, em comunicado.

Este conjunto de ambientes virtuais destinam-se a ensinar competências sociais, como cumprimentar, sorrir, identificar expressões faciais e repeti-las.

O jogo de computador tem, por isso, um objetivo pedagógico e de reabilitação: para evoluir nos níveis, a criança tem de desempenhar uma série de mecanismos de interação social, acabando por interioriza-los e transpô-los para o dia-a-dia, esperam os especialistas.

O objetivo é que estas ferramentas venham a permitir aos médicos não só fazer o diagnóstico e prescrever a terapia, mas também monitorizar o doente à distância e registar a sua evolução.

"Uma das grandes limitações dos sujeitos com autismo é a capacidade de interação social, o objetivo é que a criança possa, no conforto do lar e num ambiente que não lhe é hostil, realizar os exercícios e remotamente fornecer informação para o clínico que o acompanha", explica Marco Simões, investigador do Departamento de Engenharia Informática (DEI), envolvido no projeto.

A grande novidade consiste na utilização da realidade virtual como ferramenta de treino de competências sociais no autismo, acompanhada da monitorização neurofisiológica.

"No jogo a criança interage com pessoas virtuais para, no futuro, interagir com pessoas reais. Desenvolvendo aplicações com tecnologias cada vez mais presentes na vida das pessoas e nas suas casas, é relativamente fácil o seu uso e, consequentemente, a sua comercialização. Os próprios pais podem participar (ainda mais) ativamente na educação dos filhos", defende o investigador, citado na nota de imprensa.

[caption]Marco Simões utiliza um dos ambientes virtuais. Créditos: UC[/caption]

O projeto, em que colaboram elementos da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCTUC), da Faculdade de Medicina e da Unidade de Neurodesenvolvimento e Autismo do Hospital Pediátrico de Coimbra, bem como da Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento e Autismo, já foi objeto de testes relativamente ao conceito.

Os investigadores procuram agora criar um design mais apelativo e explorar novas tecnologias de interação naturais, isto é, mais fácil de usar pelas crianças com autismo, avança a UC.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.