Luisa Geifão era já diretora do DNS.pt, que integrava a FCCN que agora foi extinta por integração na FCT, e vai agora liderar a nova estrutura que foi criada como uma associação privada sem fins lucrativos.

"Estou efetivamente a liderar este projeto novo que acredito servirá da melhor forma os interesses de todos os que compõem a Comunidade Internet Portuguesa e em especial o .PT", adiantou ao TeK, admitindo que esta é uma oportunidade de criar "um modelo institucional adaptado à gestão de um Domínio de Topo à semelhança do que acontece na maior parte dos países e dar um passo no sentido de sermos cada vez melhores".

Tal como já tinha sido adiantado pelo TeK, a Associação DNS.PT deverá estar em funções até junho e terá um modelo de responsabilidade colaborativa entre os associados. Luisa Geifão confirma que estes serão "o estado português como garante do Domínio de Topo de Portugal, via FCT, IP, a ACEPI, porquanto representativa dos Registrars e operadores na área e a DECO, representativa dos Consumidores".

A associação vai ainda contar com um "Conselho Consultivo alargado nas várias vertentes desta comunidade e representativas dos autores, da cultura, das marcas, das empresas, ordens profissionais, segurança, etc", refere ainda a responsável pela nova estrutura.

Embora ainda não esteja definido o plano de atividades, que terá de ser aprovado por todos os associados, este terá "uma vertente importante na área da Dinamização da Internet e Comunicação para se atingir um maior número de domínios em .PT, aproximando esse número da média dos países da Europa".

Questionada quanto à possibilidade desta nova dinâmica permitir a redução dos preços dos domínios, Luisa Geifão afirma que se houver margem essa redução será feita, mas defende que o valor dos nomes de domínio em .PT já é "um valor abaixo da média europeia, cerca de 15,00 a 18,00 euros, ano".

"Estou convicta que o valor dos registos não é um entrave à sua procura e que o preço não é determinante na escolha do consumidor final", adianta ainda ao TeK.

A responsável pelo DNS.PT assegura que o sistema de manutenção da infraestrutura e os níveis de segurança, estabilidade e fiabilidade atuais se vão manter, não se prevendo alterações, e que não haverá também mudanças nos protocolos já firmados com os Registars, agentes de registo, mantendo as parcerias existentes para a dinamização da Internet e dos nomes de domínios em .pt.

Este ano a hierarquia de domínios portuguesa assinala os 25 anos da delegação internacional realizada pela IANA e em jeito de balanço Luisa Geifão lembra que em Portugal há mais de 550 mil domínios registados e que estamos na linha da frente da capacidade de implementação das melhores práticas nesta área com a automatização total dos registos, Certificação ISO9001, a implementação do IPV6 desde 2004, IDNs desde 2006, DNSSEC desde 2010. A recente liberalização das regras de registo de .PT e a participação na criação de um Centro de Arbitragem são também apontadas como exemplo desta evolução.

Escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Fátima Caçador

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.