O novo regulamento do governo chinês obriga à identificação dos utilizadores para serviços relacionados com blockchain. As pessoas terão de utilizar os seus nomes reais e providenciar o número do cartão de identificação durante o registo. Esta decisão reforça as medidas de restrição relacionadas com a tecnologia, retirando os seus utilizadores do anonimato, até porque na China as transações com Bitcoin estão banidas desde fevereiro.

Segundo adianta o The Verge, o departamento que regula o ciberespaço disponibilizou o primeiro rascunho das novas leis, obrigado ainda os serviços de blockchain a remover qualquer informação ilegal antes que comece a espalhar-se pelos utilizadores. Além disso, as empresas ficam obrigadas a manter o registo dos dados por seis meses em backup e a disponibilizar às autoridades sempre que solicitadas. E quem não obedecer poderá receber um aviso ou restrições de acesso à sua conta, e em casos mais extremos ficar com a mesma bloqueada.

Apesar do governo ter suportado a tecnologia de blockchain no passado, e ter um pensamento tecnológico avançado, os especialistas receiam que haja um retrocesso, já que as medidas anunciadas vão contra um dos principais princípios da tecnologia, a privacidade e anonimato.

A publicação revela que algumas das empresas relacionadas com a indústria de pagamentos mobile, como a WeChat Pay requer a identificação pessoal ou do titular do cartão do banco para pagamentos acima dos 144 dólares; ao passo que a Weibo e outras requerem pelo menos o número de telefone.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.