O governo cubano de Fidel Castro decidiu reforçar o controlo sobre a Internet naquele país, suspendendo o acesso sobre o normal serviço telefónico de baixo custo oferecido pelo operador de telecomunicações nacional Etecsa. A decisão deverá afectar centenas ou mesmo milhares de cubanos que, ilegalmente, acediam à Web a partir de suas casas, usando computadores e contas Internet que tinham alugado ou adquirido no mercado negro.



As regras de acesso à Web impostas pelo governo cubano já eram bastante limitativas, sendo necessário requerer uma permissão junto do mesmo para que a acção estivesse dentro da legalidade, o que a maioria dos cubanos não fazia, embora pudesse consultar caixas de correio electrónico internacionais e os sites inseridos na intranet controlada pelo governo, relacionados com emprego e com instituições de ensino.



Segundo as novas regras, só os cubanos autorizados - apenas alguns médicos e membros do governo - é que poderão aceder à Internet através do regular serviço telefónico da nação, refere a Associated Press. Uma lei necessária, segundo o estado cubano, para "regular o acesso dial-up ao serviço de navegação na Internet", adoptando medidas que ajudarão a proteger contra o roubo de passwords, actos maliciosos, e ao uso não autorizado e fraudulento do serviço".



A maioria das empresas e indivíduos estrangeiros estão autorizados a usar a Internet em Cuba, normalmente através de um serviço telefónico mais caro, cobrado em dólares americanos, e por isso fora das posses da maioria dos cidadãos.



O E-net, o serviço Internet do operador telefónico cubano Etecsa, informou os seus clientes, numa carta data da passada sexta-feira, que a nova lei entraria em vigor a partir do dia a seguir e que afectaria todos os outros fornecedores de acesso à Internet cubanos igualmente.



A E-net é o maior de uma mão-cheia de fornecedores de acesso à Internet que existem em Cuba, todos eles monitorizados e controlados pelo governo de Fidel Castro.



Os clientes da E-net que não subscrevam o serviço telefónico pago em dólares poderão manter o acesso à Internet através do serviço normal, adquirindo cartões especiais vendidos nas lojas Etecsa, indica a carta.



Notícias Relacionadas:

2002-07-16 - Novas leis de restrição aos conteúdos Internet na China

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Tek. Diariamente. No seu email.

Notificações

Subscreva as notificações SAPO Tek e receba a informações de tecnologia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.