O multimilionário Elon Musk pediu segunda-feira explicações ao presidente executivo da Apple, Tim Cook, por esta empresa “ter cessado quase toda a publicidade na Twitter”.

O magnata e proprietário da empresa da rede social começou na sua conta uma campanha de mensagens destinadas à Apple, nas quais afirma que “a Apple ameaçou congelar a Twitter da sua App Store (serviço de aplicações dos seus telefones), sem dar razões”.

Sem ter recebido qualquer resposta de Tim Cook, avançou com outra em que acusa a Apple de “impor uma taxa secreta de 30% em cada produto comprado através da sua App Store”. Em uma terceira mensagem sugere que a Apple “deveria publicar todos os atos de censura que fez e que prejudicam os seus utilizadores”.

Mas, até ao momento, a aplicação da Twitter funciona com normalidade nos iPhones de Apple, comprovou a EFE.

A confirmar-se a saída da Apple dos anunciantes da Twitter, seria um novo golpe para a empresa da rede social que, depois da chegada de Elon Musk, perdeu boa parte das suas receitas publicitárias. A cadeia de rádio pública NpR estima que metade dos principiais anunciantes saíram, os quais só neste ano gastaram 750 milhões de dólares.

Elon Musk pode criar smartphone alternativo se a Google e Apple banirem o Twitter das suas lojas digitais
Elon Musk pode criar smartphone alternativo se a Google e Apple banirem o Twitter das suas lojas digitais
Ver artigo

Em causa está o temer dos anunciantes com o rumo incerto da Twitter em relação aos conteúdos, que se manifesta em decisões tão polémicas como a do restabelecimento da conta de Donald Trump, suspensa depois do ataque dos seus apoiantes ao Capitólio.

Não perca as principais novidades do mundo da tecnologia!

Subscreva a newsletter do SAPO Tek.

As novidades de todos os gadgets, jogos e aplicações!

Ative as notificações do SAPO Tek.

Newton, se pudesse, seguiria.

Siga o SAPO Tek nas redes sociais. Use a #SAPOtek nas suas publicações.